Sociedade, Tomar

Feira de Santa Iria, o regresso sempre saudado da tradição em Tomar

Tradicional certame decorre em Tomar entre os dias 14 e 23 de Outubro. Ponto alto será no dia 20 com a evocação do martírio de Santa Iria através do lançamento de pétalas ao rio pelas crianças do concelho. A Feira das Passas, com maior número de vendedores, decorrerá na Praça da República.

 

Este ano a Feira de Santa Iria não vai ter Poço da Morte. Aos 81 anos, Henrique Amaral abandonou aquele que fora o seu modo de vida desde tenra idade. A Feira de Santa Iria, em Outubro do ano passado, foi uma das suas últimas actuações, rodando na vertical em alta velocidade de olhos tapados ou cruzando-se com outra moto.

Tal como este divertimento, que voltara a Tomar anos depois da presença anterior, a Feira é sempre uma ocasião para matar saudades: seja dos carrinhos de choque, do algodão doce ou apenas desse modo de comércio caído em desuso (ou talvez não) que são os mercados de rua.

A verdade é que, por mais anacrónica que possa parecer a um olhar desatento, a Feira de Santa Iria continua a arrastar muitos milhares de pessoas e a marcar o mês de Outubro em Tomar.

Este ano não será excepção, com o certame a decorrer como habitualmente entre os dias 14 e 23 de Outubro, a sexta-feira anterior e o domingo seguinte ao dia 20, seu ponto alto com o habitual cortejo em honra da padroeira de Tomar e no qual se integram as crianças dos jardins-de-infância e escolas do 1º ciclo do concelho. Este ano a missa será na igreja de Santa Maria dos Olivais, pelas 10 horas, com o cortejo a partir dali pelas 11 seguindo pela Rua de Santa Iria, Avenida General Norton de Matos, Avenida Ângela Tamagnini, Rotunda Raul Lopes, Alameda Um de Março, Rua Marquês de Pombal e terminando na Ponte Velha com o lançamento de pétalas ao rio.

A Feira funcionará dentro dos moldes habituais, com os divertimentos, vendedores e exposição de automóveis, motos e tractores agrícolas centrados na Várzea Grande enquanto a Praça da República acolhe mais uma vez a Feira das Passas. Significativo é o facto de haver uma maior adesão de comerciantes, com a presença nomeadamente de mais fazendeiros e mais participantes na Feira das Passas.

Também os sabores da região vão voltar a marcar presença nas tasquinhas, situadas no Mercado Municipal.

O programa de animação conta com dois espaços: na Praça da República durante as tardes de fim-de-semana e no palco da Feira, na Várzea Grande, em parte das noites. Assim, e por ordem cronológica, na sexta-feira, dia 14, actuam os Ganda Malucos (21.30 no Palco da Feira); no sábado, 15, o Rancho Folclórico do CIRE (15.30 horas na Praça da República) e o Rancho “ Os Camponeses de Minjoelho” (16 horas no mesmo local), enquanto João Marcelo pisa o Palco da Feira às 21.30; no domingo, 16, será o Rancho Folclórico “ Os Canteiros da Pedreira” a actuar na Praça da República às 15 horas. Na quinta-feira, dia 20, o Palco da Feira estará por conta de Quim Barreiros, às 21.30; e na sexta, 21, à mesma hora, contará com a Tuna Templária. No sábado, 22, passam pela Praça da República o Rancho Folclórico S. Miguel de Carregueiros (15 horas) e o Grupo de Cantares Regionais “ Os Templários” (16 horas), enquanto a noite no Palco da Feira será de Nemanus (21.30). Finalmente, no domingo, 23, o Rancho Folclórico “Os Camponeses da Peralva” actua na Praça da República às 16 horas.

Registo ainda para a exposição de trabalhos escolares (do jardim-de-infância ao ensino superior) que abordam, de forma sempre interessante e original, toda a temática de Santa Iria, este ano patente na Casa dos Cubos, e que será inaugurada às 17.30 horas de dia 14.

 

 

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *