Cultura, Portimão

TEMPO dedica esta semana à música tradicional portuguesa – Portimão

Na sequência do Dia Mundial da Música, comemorado a 1 de Outubro, o TEMPO – Teatro Municipal de Portimão dedica esta semana à música portuguesa.

Sem a pretensão de a revelar na sua riquíssima variedade, a programação toma como fio condutor um instrumento emblemático da música tradicional algarvia – o acordeão. Nomes como Marenostrum ou Danças Ocultas e a participação especial do Rancho Folclórico da Figueira são os destaques do programa.

Na quarta-feira, 5 de Outubro, às 16h00, a tarde é de música algarvia, com a sonoridade e o colorido dos trajes tradicionais do Rancho Folclórico da Figueira a invadirem o palco do Grande Auditório. Vão dançar-se o Corridinho, o Baile Mandado e o Baile de Roda, ao som dos tradicionais ferrinhos e do acordeão.

Na segunda parte, os Marenostrum, uma banda de Tavira, apresentam a sua versão da música algarvia e do mundo, onde o Corridinho vai ao baile com a Morna, ao som dos Balcãs e Médio Oriente, sempre com o mar lusitano e as raízes nacionais como pano de fundo.

O espectáculo conta com a projecção de desenho em tempo real e um desenho de iluminação que ajudam a criar um ambiente único, neste concerto que será gravado ao vivo, com vista à sua edição em 2012.

No dia 7 de Outubro, às 21h00, no Pequeno Auditório, será projectado o documentário de Tiago Pereira, “Significado – A música portuguesa se gostasse dela própria”, uma viagem pela génese da música portuguesa, que convoca mestres conhecidos e desconhecidos da música tradicional.

Este documentário serve de introdução para a apresentação do projecto dos Lufa-Lufa, às 22h00, no Café-Concerto. Trata-se de um grupo que, a partir de composições para concertina, conquistam o espectador com muito sentido de humor, num cenário próprio e histórias paralelas que transportam por paisagens imaginárias.

No dia 8 de Outubro, às 21h30 no Grande Auditório, será apresentado “Alento”, o novo trabalho dos Danças Ocultas, um colectivo que utiliza o acordeão diatónico (vulgo concertina) para dar sopro à profunda originalidade da música que cria. Em 2010 tiveram a honra de encerrar o WOMEX, o mais prestigiado certame internacional dedicado à world music, em Copenhaga.

A Oficina do Espectador, o serviço educativo do TEMPO, desafia o público durante três dias – de 3 a 5 de Outubro das 18h30 às 20h30 – a aprender a dançar a Saia da Carolina, a Mat’aranha e outras danças tradicionais portuguesas, para que não caiam no esquecimento.

No dia 7, às 10h00 e às 14h00, e no dia 8 de Outubro às 16h00, na Black Box, dedica às escolas e famílias as paisagens sonoras criadas por Fernando Mota em “Motofonia”, um solo musical para todos, que utiliza elementos naturais e objectos para desenhar uma viagem sonora e visual. As sessões das escolas no dia 7 de Outubro estão já esgotadas.

No final desta semana, se não se conseguir a resposta à pergunta “como seria a música portuguesa se gostasse dela própria?”, ficarão as memórias do acordeão de João Frade, Luís Rodrigues, Inácio Gargalo, Bruno Marreiro, Artur Fernandes, Filipe Cal, Filipe Ricardo, Francisco Miguel e da concertina de Ricardo Rocha.

No final do mês, o TEMPO volta a oferecer dois espectáculos de música, desta vez com o grupo Os Eléctricos, no dia 21 de Outubro às 22h00 no Café Concerto, e através do 3º Festival Acústico Alvor FM, no dia seguinte, às 22h00 no Grande Auditório.

Os bilhetes podem ser adquiridos na bilheteira do TEMPO de terça a sábado, das 14h00 às 19h00, e em dias de espectáculo, das 14h00 às 21h30. Para mais informações ou reservas, contactar a bilheteira do TEMPO através dos contactos 282 402 475 / 961 579 917 ou através do seguinte sítio na Internet: www.teatromunicipaldeportimao.pt.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *