Cultura, Santo Tirso

IV Ciclo de Jazz de Santo Tirso

O IV Ciclo de Jazz de Santo Tirso – evento que é promovido pela Câmara Municipal de Santo Tirso (sob programação de José Carlos Santos) com o objetivo de promover o gosto pelo jazz, através da promoção de concertos com os mais destacados músicos de jazz do panorama nacional e internacional – prossegue já depois de amanhã, sexta-feira, dia 16 de Setembro, com o compositor e guitarrista Rui Luís Pereira (Dudas) num concerto que decorre, no Centro Cultural de Vila das Aves, a partir das 21h30, com entrada livre.

O músico português apresenta-se no IV Ciclo de Jazz com o seu projeto Ficções criado em  Lisboa, em 1988. A música de Rui Luís Pereira mistura as influências rítmicas e melódicas das raízes étnicas portuguesas (ibérica, brasileira, africana) com o jazz, especialmente em termos de improvisação. À sua maneira, a música tenta refletir a idiossincrasia, a história e a cultura portuguesas. A discografia do grupo é composta por três álbuns, o último dos quais editado em 2001 com o nome Ocidental Praia. Para além de uma presença regular em palcos portugueses, o grupo tem recebido ótimas críticas pela sua participação em diversos festivais internacionais. Nómada de vários continentes e experiências musicais, Rui Luís Pereira (Dudas) nasceu em Macau, e com dois anos e meio vai para Moçambique. No início dos anos 70 funda o grupo «Conceito», como solista, praticando uma música de fusão com influências que vão desde os Blues, Rock e Jazz até às influências da música africana.

Em 1975 vem para Lisboa e frequenta o Conservatório Nacional de Música e a Academia de Amadores de Música onde estuda guitarra clássica. Estudou depois música contemporânea nos cursos da Universidade Nova de Lisboa com o compositor Jorge Peixinho e, já na esfera da música improvisada, frequenta os cursos de Jazz no Hot Clube de Portugal, no início dos anos 80 sob orientação de professores portugueses e norte-americanos. Inicia a sua atividade como músico profissional nos anos 80, tendo tocado e/ou gravado com vários artistas e músicos tais como Rão Kyao, Pedro Caldeira Cabral, Sérgio Godinho e Fausto, entre outros.

Rui Luís Pereira (Dudas), guitarras acústica e eléctrica. Miguel Amado, baixo eléctrico. Carlos Miguel, bateria. Guto Lucena, saxofone alto/soprano e flauta.

Importa referir que o IV Ciclo de Jazz de Santo Tirso arrancou no passado dia 11 de Fevereiro com o concerto do saxofonista norte-americano Ohad Talmor e termina no próximo dia 14 de Outubro com o concerto de Noah Preminger, também ele jovem e destacado saxofonista norte-americano.

Noah Preminger Quartet | 14 outubro | 21h30

A viver atualmente em Brooklyn, Nova Iorque, o saxofonista de jazz Noah Preminger estreou-se em 2008 com o álbum Dry Bridge Road e, rapidamente, conquista o público e a crítica especializada. «Mais do que um ponto de partida promissor, esta é uma demonstração de integridade» escreveu Ben Ratliff, do New York Times a propósito de Dry Bridge Road. Uma estreia que o crítico classificou de «invulgarmente graciosa», e que fez com que o músico fosse considerado como uma ‘voz’ singular do jazz norte-americano, ao jogar com influências que vão do clássico ao jazz contemporâneo, a partir do rock e da música ambiente.Embora com apenas 24 anos de idade, Noah Preminger já teve a oportunidade trabalhar com grandes nomes do jazz, entre os quais Dave Liebman, Hersch Fred, John McNeil, Steve Davis, Douglas Dave, Joel Frahm, Billy Hart, Lewis Victor, Bob Nieske e George Cables, entre muitos outros. Presença regular em palcos de todo o mundo, Noah Preminger, tem-se apresentado em concerto como líder dos seus próprios agrupamentos, mas também enquanto elemento do Cecil McBee’s Transcend Group, The John McNeil Group e no The Dana Lauren Group, entre outros. Apresentou-se pela primeira vez em Portugal em agosto de 2009, no Centro Cultural de Belém, e regressa agora, no âmbito de uma digressão europeia, no ano em que publicou o seu segundo álbum, intitulado Before the Rain.

Noah Preminger, saxofone. Benny Lackner, piano. Masa Kamaguchi, contrabaixo. João Lencastre, bateria.

Refira-se ainda que a primeira edição do Ciclo de Jazz teve lugar em 2008 e abriu com o concerto de Sofia Ribeiro e do contrabaixista Gui Duvignau. No âmbito desta iniciativa passaram também pelo Centro Cultural, ainda nesse ano, o quinteto do contrabaixista galego Xacobe Martínez Antelo e o quarteto do contrabaixista argentino Demian Cabaud. Este último regressaria em 2009, mas noutra formação, integrando a segunda edição do Ciclo de Jazz, no âmbito da qual atuaram também o guitarrista Pedro Madaleno, o João Lencastre Group e o Rui Caetano Trio. Em 2010, na terceira edição do Ciclo de Jazz foi a vez das atuações do quinteto de André Carvalho, dos quartetos de Júlio Resende, Jeffery Davis e Mário Santos, e ainda da cantora Adriana Miki.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *