Cultura, Vale de Cambra

História e Importância dos Lacticínios em Vale de Cambra em Exposição

O papel dos Lacticínios para o desenvolvimento e crescimento do Concelho é homenageado na exposição que abre no próximo dia 8 de Setembro (quinta-feira) ao público, pelas 16h30, no Museu Municipal de Vale de Cambra.

“O Touço – tecnologia artesanal na transformação do leite” assinala ainda a reabertura do Museu Municipal de Vale de Cambra depois de um breve período de obras de requalificação do espaço e estará patente até ao final de Janeiro de 2012.

Para ver, ouvir e aprender a história do maravilhoso mundo dos Lacticínios que tanto contribuíram para o desenvolvimento do Concelho. Entrada livre.

Enquadramento Técnico da Exposição:

O propósito desta exposição é trazer aos nossos tempos práticas antigas de fazer a manteiga e o queijo, não fosse esta prática assunto que muito diz a Vale de Cambra. Não será excessivo pois, relembrar que a produção da manteiga era uma das principais actividades económicas do concelho já no século XIX, como refere, por exemplo, (Archivo Rural 1874 [Em linha], 19-08-2011:129):

  “A fabricação de manteiga tem tido mais algum desenvolvimento nos concelhos de Arouca, Cambra e Sever; nos restantes concelhos pouca manteiga se fabrica…”

Nesta vertente, Vale de Cambra afirmou-se – cada vez mais – no contexto regional como o maior produtor de lacticínios por via do desenvolvimento de uma indústria que contou com o indispensável apoio dos pequenos produtores de leite que se espalhavam pelas serranias em torno do vale. No entanto, nesse mesmo Archivo Rural, não se deixa de referir que os processos de fabrico padeciam de melhorias e que seria importante a organização de sociedades corporativas que levassem à melhoria dos procedimentos (Archivo Rural 1874 [Em linha], 19-08-2011:129):

  “(…) Os processos da sua fabricação é que não têm melhorado. N’aqueles concelhos era de summa importância a organização de sociedades cooperativas de produção para o fabrico de manteiga…”

Fosse como fosse, o cambrense Bernardo José de Souza levou à Exposição Internacional do Porto de 1865 um frasco de “manteiga de vacca” (Catalogo official da Exposição Internacional do Porto, 1865:40), o que nos parece um indício da excelente qualidade desta manteiga visto que, a concurso nesse certame, só encontramos uma “amostra de manteiga” oriunda de Santo Tirso (Catalogo official da Exposição Internacional do Porto, 1865:38) e “uma caixa de lata com manteiga de vacca” (Catalogo official da Exposição Internacional do Porto, 1865:43) proveniente de Évora.

Estes manteigueiros, os lavradores, forneceram as primeiras indústrias de lacticínios de Vale de Cambra, como é o caso da fábrica de Martins & Rebello (estabelecida em 1896 (Ralo, J.A.C., 1953:165) e a Fábrica de Lacticinios do Valle de Cambra que, desde 1908, vem anunciando no Jornal de Cambra a sua Manteiga Alliança como vencedora da medalha de ouro na Exposição Agrícola de Lisboa de 1905 e o seu estatuto como fornecedora da Casa Real… não fosse a fabrica “… a de maior producção do continente…” (Jornal de Cambra, 1908c). Vendiam a manteiga a intermediários, que a distribuíam pelos centros de consumo embalada em tijelas de barro, cestos de vime ou latas (Ralo, J.A.C., 1953:164).

A estes primórdios da produção doméstica de manteiga, Lucília Caetano, a propósito  do Inquérito da Repartição de Pesos e Medidas (1865), refere a importância que essa actividade representava para as populações, colocando o concelho de Macieira de Cambra à cabeça dos que mais produziam este derivado do leite, com cerca de 23.500,8 Kg anuais de manteiga de leite de vaca, cabra e ovelha (Caetano, L., 1989-1990:106). É extraordinária esta capacidade produtiva levada a cabo pelos donos dos animais que, no século XIX, faziam escoar, ao preço variável por quilograma entre os 360 e os 400 réis, o ser produto por intermédio de mercadores de fora do concelho que faziam bancada no Porto, Coimbra, Aveiro, Figueira da Foz, Viseu, Guarda e Covilhã, havendo anos em que a mesma era exportada (Caetano, L., 1989-1990:106).

Essa exportação encontrava o seu canal de escoamento privilegiado pela estação de caminhos de ferro de Estarreja, calculando-se que de Cambra saíssem anualmente (1876-1877) cerca de 40.000 kgs. de manteiga embalada, cuja produção se fazia aqui e nos concelho vizinhos (Ralo, J.A.C., 1953:164).

Mas a tradição transformadora do leite em Vale de Cambra não se fica unicamente pelo século XIX. Ainda lhe encontramos ecos em tempos bem mais recuados, bastando para tal pegar no Foral de Cambra (1514) para ficarmos a saber que, já no século XVI, a produção da manteiga era de tal ordem importante que fazia parte de um número considerável de rendas.

Além dessas rendas, quem transportasse “queijos sequos” e “manteiga salgada” pagava oito reais (, 2004):41). Estava isento do pagamento dessa portagem, todo o leite “nem cousas delle que sejam sem sal” (, 2004):39).

E as vivências em torno dos lacticínios, que histórias nos trazem?

As horas passadas junto à  lareira a maçar o leite no touço, as delícias, antes de ser manteiga, desse leite maçado barrado no pão. A canseira de descer a serra e na feira vender a manteiga ou entrega-la na fábrica.

E o que dizer dos trabalhos em que se meteu um tal de Augusto de Oliveira que acabou capturado no Muradal por furto da manteiga em falta da banca do sr. José Fernandes Cubal, negociante da praça da Gandra? (Jornal de Cambra, 1908c):3).

O seu browser pode não suportar a apresentação desta imagem. Não escapou o evento à Gazetilha assinada por um tal Argus que, nesse mesmo jornal (Jornal de Cambra, 1908c):1), não perdeu a oportunidade de satirizar sobre o roubo da manteiga e um outro do manto da Virgem da ermida de La-Salette.

Como se não bastasse este roubo de “praça”, nem a Fábrica de Lacticinios do Valle de Cambra escapou a uma prática que, ao que parece, ocorria com alguma regularidade. Por arrombamento, noticia-se  que os “larápios” fizeram desaparecer 25Kg de manteiga, embaladas numa lata de 10Kg, duas de 5Kg e uma de 0,5Kg, com tampa móvel (Jornal de Cambra, 1908b).

Neste rol, ainda há espaço para a tragédia que afectou dois jovens manteigueiros, António e Engrácia Fernandes, moradores na Ribeira de Castelões. Ambos carregando cestos de manteiga com destino ao lugar dos Salgueiros (Ossela), por alturas do lugar da Mouta, acidentalmente fez o rapaz disparar a espingarda que um indivíduo de Cavião lhe entregara, ferindo mortalmente Engrácia (Jornal de Cambra, 1908a):2.

Existem assim vidas ligadas à produção de um dos produtos locais de maior expressão. Não deixa de ser curiosa a ausência do queijo não só no noticiário do dia-a-dia, como na bibliografia disponível. Limitava-se, em Vale de Cambra, a produção de lacticínios à manteiga? É uma questão que importa esclarecer, porque todos os indícios apontam para a prevalência de manteigueiros e não de queijeiros, expressão muito usada para os operários das fábricas de lacticínio (Martins e Rebelo e Lacto-Lusa).

 

Estas e outras histórias do Leite e dos seus derivados para apreciar no Museu Municipal de Vale de Cambra, de segunda a sexta, entre as 9h e as 12h30 e as 14h e as 17h30 e, ao sábado, entre as 14h e as 17h. Entrada livre.

Esperamos por si!

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *