Sociedade, Vizela

Autarquia inaugurou Marginal Ribeirinha de Vizela

A Câmara Municipal inaugurou a Marginal Ribeirinha de Vizela, na passada sexta-feira, dia 5 de Agosto, uma data simbólica da luta do povo de Vizela pela sua autonomia.

Na cerimónia foi realizada uma evocação à data do 5 de Agosto de 1982, com o descerramento de uma placa alusiva à efeméride e que contou com a presença de muitos elementos do grupo “A Pesada”.

A cerimónia contou com a presença do Edil Dinis Costa e dos Vereadores do Executivo Municipal, assim como de muitos convidados e também da população, que não quis deixar de contemplar uma obra há muito desejada por todos os vizelenses.

Na cerimónia usou da palavra José Manuel Couto, em representação do Grupo “A Pesada”, que lembrou os acontecimentos daquele dia e agradeceu ao Presidente da Câmara esta homenagem à luta do povo de Vizela pela sua autonomia.

Manuel Campelos, do Movimento pela Renovação do Concelho de Vizela, lembrou a luta do povo de Vizela que culminou a 19 de Março de 1998 e elogiou a resistência do grupo “A Pesada” para a instauração do Concelho. Manuel Campelos também agradeceu o empenho da Câmara Municipal na comemoração desta data, elogiando, ainda, a obra da Marginal Ribeirinha, que apelidou de ‘esplêndida’.

O Presidente da Câmara Municipal começou por agradecer aos particulares que ajudaram a que esta obra se tornasse uma realidade por terem “entendido a importância deste espaço para Vizela”.

“A partir de hoje, há mais razões para passar por Vizela. O Rio volta a ser devolvido aos vizelenses que neste Verão terão mais uma razão para ficar por cá e trazer outras gentes, que certamente vão gostar da nossa praia fluvial…

A Marginal Ribeirinha de Vizela é, finalmente, uma realidade e Vizela fica, assim, com um novo postal ilustrado. Queremos ver aqui uma nova centralidade para a Cidade, onde os munícipes se podem deleitar com este espaço de lazer propício a várias actividades”, afirmou o Edil vizelense.

Dinis Costa evocou, ainda, a data do 5 de Agosto de 1982, em que Vizela abria noticiários e fazia a primeira página dos diários do País: “Hoje, queremos recordar o que fizemos outrora, perpetrando, no tempo e no espaço, o feito, a vitória, a luta, a coragem de quem não quis desistir e nos deu aquilo que Vizela é hoje. (…) Tal como consta na placa que homenageia os homens e mulheres que encabeçaram esta batalha que marcou o início de outras tantas lutas – travadas em nome de um ideário chamado CONCELHO DE VIZELA – a Câmara Municipal não vai deixar esquecer quem não esqueceu Vizela.”

 

Marginal Ribeirinha de Vizela

Esta obra traduz-se numa intervenção efectuada na margem esquerda do Rio Vizela, situada na extensão delimitada entre a Travessa do Mourisco e a Ribeira de Sá, Freguesia de S. João e é composta por uma ciclovia, um circuito pedonal, uma área verde e uma área de lazer fluvial.

A Ciclovia traduz-se na criação de um circuito, desde o Mourisco até à Ribeira da Sá, que se estende ao longo da área verde, criando um corredor independente para bicicletas, com uma largura de 2,40m, permitindo a circulação de bicicletas nos dois sentidos.

O Circuito Pedonal diz respeito a um percurso pedonal de fruição, ao longo da margem do Rio Vizela, que, juntamente com a futura ponte do Mourisco e com a actual ponte da Cascalheira, permitirá a complementação das duas margens do rio.

A Marginal Ribeirinha integra, ainda, uma vasta zona verde, ao longo da extensão da intervenção, para uso lúdico da sociedade civil.

A Área de Lazer Fluvial situa-se junto à Ilha da Cascalheira, do lado esquerdo do rio, uma área de areal com cerca de 3000 m2.

 

Texto da placa de Homenagem da Câmara Municipal de Vizela ao povo vizelense

“A todos aqueles que fizeram de um sonho comum a independência de um Povo…

A todos aqueles que serviram de inspiração a tantas outras lutas e ideários que marcam a glória da vida.”

 

Texto evocativo do 5 de Agosto de 1982

“A história de Vizela conta-se ao longo de um livro de muitas páginas. Um livro inacabado, mas que tem como prólogo a luta do dia 5 de Agosto de 1982.

Se dúvidas houvesse quanto à perseverança dos vizelenses, na luta pela sua autonomia administrativa, as mesmas dissipar-se-iam, quando o povo saiu à rua e, mesmo debaixo de fogo, mostrou e provou que a união faz a força e que ninguém o iria travar quanto à conquista da sua independência.

Quase 30 anos depois, a Câmara Municipal de Vizela não esquece os homens e mulheres que encabeçaram esta batalha que marcou o início de outras tantas lutas, travadas em nome de um ideário chamado CONCELHO DE VIZELA.”

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *