Cultura, S. João da Madeira

Exposição “O Oficio de Sapateiro” abre ao público no Museu da Chapelaria em S. João da Madeira

“O Oficio de Sapateiro” é a exposição que se segue no ciclo dedicado pelo Museu da Chapelaria, em S. João da Madeira, ao tema “Artes e Ofícios: Memórias e Identidades”. A cerimónia de inauguração está marcada para as 11h30 desta quarta-feira, 18 de Maio, Dia Internacional dos Museus.

“Um dos mais antigos ofícios de que há registo é o de sapateiro, actividade quase tão antiga como o próprio homem”. É com esta frase que o Museu da Chapelaria apresenta a exposição, que estará patente até 2 de Outubro e que é dedicada a uma actividade que faz parte da história e do presente de S. João da Madeira.

As histórias, os costumes e as crendices deste ofício podem ser descobertas nesta exposição do Museu da Chapelaria, na qual se “propõe ainda uma viagem à história do próprio calçado, quer enquanto objecto utilitário quer enquanto objecto de design e, por isso, de desejo”.

Do artesão ao industrial

Como se lê no painel de abertura da exposição, o ofício de sapateiro “foi-se desenvolvendo de forma gradual”. Aos poucos, o artesão torna-se industrial e “da pequena oficina nasce a grande fábrica”. Assim cresceu um sector que, em finais do século XX, “progrediu excepcionalmente na sua capacidade técnica e artística e seduziu os mercados internacionais”.

Esta exposição conta com diversas colaborações: Nuno Moreira (fotografias), Centro de Formação Profissional da Indústria do Calçado (cedência de peças e informações); Junta de Freguesia de S. Roque; empresas “Calçado Ibérico” e M J Costa; Nelson Dias de Oliveira e Alberto Dias da Cunha, sapateiro reformado de S. João da Madeira. Em exposição encontram-se ainda peças do acervo do Município doadas pelas fábricas de calçado Lusolindo e Everest.

Com o ciclo dedicado às “Artes e Ofícios” no qual se insere a exposição “O Oficio de Sapateiro”, o Museu da Chapelaria assume-se como um espaço privilegiado de reflexão acerca da importância do trabalho na estruturação das identidades de diferentes comunidades, alargando o seu olhar a outras áreas de actividade.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *