Cultura, Reguengos de Monsaraz

Maiores centros oleiros da Península Ibérica juntam-se em S. Pedro do Corval na Festa Ibérica da Olaria e do Barro – Reguengos de Monsaraz

Os dois maiores centros oleiros da Península Ibérica, S. Pedro do Corval, no concelho de Reguengos de Monsaraz, e Salvatierra de los Barros, na Extremadura espanhola, juntam-se mais uma vez na Festa Ibérica da Olaria e do Barro. A décima sétima edição deste certame organizado pelo Município de Reguengos de Monsaraz, Ayuntamiento de Salvatierra de los Barros e Junta de Freguesia de Corval vai decorrer entre os dias 6 e 8 de Maio, no Pavilhão da Olaria e do Barro, em S. Pedro do Corval, com a participação de 59 olarias de Portugal e de Espanha.  

A Festa Ibérica da Olaria e do Barro é um evento transfronteiriço de promoção cultural e turística de uma importante manifestação artística e artesanal: a olaria. Organizada em anos alternados em cada município, com esta iniciativa pretende-se valorizar a olaria, chamar a atenção para o seu valor artesanal e artístico e apontar estratégias para o seu desenvolvimento económico e profissional.  

S. Pedro do Corval é considerado o maior centro oleiro de Portugal com 23 olarias em actividade, onde se pode assistir ao vivo a esta arte ancestral e adquirir peças produzidas pelos artesãos. Nesta edição da Festa Ibérica da Olaria e do Barro vão participar 44 olarias de Portugal e 15 de Espanha. 

O Centro Oleiro de S. Pedro do Corval vai estar representado com 19 olarias e Salvatierra de los Barros terá 12 participantes no certame. Oriundos de Portugal vão estar também presentes oleiros e ceramistas de Lisboa, Rio Maior, Águeda, Reguengos de Monsaraz, Campo Maior, Lagoa, Mourão, Alcochete, Ramada, Cartaxo, Vila Nova de Santo André, Beringel, Évora, Póvoa de Santo Adrião, Redondo, Queluz, Caldas da Rainha, Vila Boim, Coruche, Foz do Arelho, Estremoz, Sintra, Fernão Ferro, Mafra e Samora Correia. De Espanha, para além do Centro Oleiro de Salvatierra de los Barros, haverá participantes de Toledo, Múrcia e Badajoz. 

O programa da Festa Ibérica da Olaria e do Barro inicia-se na sexta-feira, dia 6 de Maio, às 10h30, no Pavilhão da Olaria e do Barro, com um espectáculo infantil a cargo dos alunos do Jardim-de-infância e da Escola Básica do 1º Ciclo de S. Pedro do Corval. A cerimónia oficial de abertura do certame realiza-se pelas 18h, no jardim público de S. Pedro do Corval, com a actuação da Banda da Sociedade Filarmónica Corvalense e do grupo de sevilhanas El Poderio. 

A partir das 21h, no Pavilhão da Olaria e do Barro, decorre o Festival Ibérico de Música Popular e Tradicional com a participação da Banda e do Coro Polifónico da Sociedade Filarmónica Corvalense e novamente do grupo El Poderio. A noite vai fechar com Karaoke na zona dos bares. 

No sábado, a partir das 9h30, na antiga Olaria Guimarães e Velho, decorrem as Jornadas Ibéricas de Olaria e Cerâmica, com comunicações de Ana Duarte, Delegada Regional do Alentejo do Instituto de Emprego e Formação Profissional, de Antónia Conde, professora e investigadora do Departamento de História da Universidade de Évora, do empresário Manuel Bellido Enrique e da ceramista Ana Sobral. Pelas 15h, no Pavilhão da Olaria e do Barro, realiza-se o Workshop de Pintura e Roda e à noite, a partir das 21h30, prossegue o Festival Ibérico de Música Popular e Tradicional com a actuação do grupo Andarilhos. 

O último dia da Festa Ibérica da Olaria e do Barro inicia-se pelas 9h30 com o Passeio BTT Rota das Olarias e às 17h canta o Grupo Coral da Freguesia de Monsaraz. A fechar o certame, a partir das 21h30, decorre o Festival Ibérico de Música Popular e Tradicional com as actuações do grupo Trovadores de Redondo e da cantora de flamenco Esther Merino, acompanhada pelo guitarrista Juan Manuel Moreno. 

No Pavilhão da Olaria e do Barro, que estará aberto diariamente entre as 10h e as 24h, poderá ser apreciada uma exposição sobre “Artes da Cerâmica”. Na antiga Olaria Guimarães e Velho vai estar patente a mostra “A Mulher na Olaria”.  
 

Sobre o Centro Oleiro de S. Pedro do Corval

O Centro Oleiro de S. Pedro do Corval é considerado o maior de Portugal com 23 olarias em actividade que continuam a pintar os motivos típicos do Alentejo, como por exemplo o pastor, a apanha da azeitona e a vindima. A olaria de S. Pedro do Corval data a sua existência, ao menos, do período da dominação árabe, conforme o atesta o teor do Foral Afonsino outorgado a Monsaraz em 1276, mas também, a linguagem e a terminologia muito próprias ainda em uso.  

Em S. Pedro do Corval podem ser encontradas as mais belas e formosas peças de barro, trabalhadas por habilidosos artesãos que assim continuam uma tradição multissecular de fabrico de louça tosca, vidrada e decorativa, de extraordinário valor estético e etnográfico. Artesãos que dão provas da sua arte aproveitando os magníficos barros das herdades vizinhas, conjugando, assim, as matérias-primas que os recursos naturais ainda oferecem.  

Constituindo um autêntico espelho da vida rural e dos costumes ancestrais, a olaria de S. Pedro do Corval, o seu espírito muito próprio e as suas excepcionais qualidades são os genuínos responsáveis pela criação de peças de grande utilidade, efeito decorativo ímpar, impondo-se naturalmente pelo conjunto das suas tonalidades e pela beleza campestre das suas composições. 

A olaria de S. Pedro do Corval é hoje uma marca registada pois o Município de Reguengos de Monsaraz registou em 2008 no Instituto Nacional da Propriedade Industrial as marcas nacionais “Olaria de São Pedro do Corval”, “Rota da Olaria”, “Rota dos Oleiros” e “Olaria”.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

1 comentário

  1. Estes eventos de caráter histórico-cutural, são um verdadeiro intercâmbio e um fator determinante na perservação de uma valiosa arte, de geração em geração e que faz parte da moderna sociedade em que vivemos. Boa noite.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *