Lamego, Sociedade

Evocação do 25 de Abril em Lamego homenageia instituições dedicadas à solidariedade

O apelo a um consenso alargado entre os principais partidos políticos com o objectivo de superar a actual crise económica e financeira e a diminuição das desigualdades sociais foi a nota dominante dos discursos proferidos pelos grupos municipais no âmbito da sessão solene da Assembleia Municipal de Lamego Comemorativa do 25 de Abril – Dia da Liberdade. Um “momento muito difícil” que apenas será ultrapassado com “um discurso de verdade” que devolva confiança aos portugueses. “Sempre que as nações passam por dificuldades, fica a pairar a compreensível dúvida sobre se valeu a pena em determinado momento romper com a evolução na continuidade. Pois é nestas ocasiões que importa recordar os bons princípios e os altos valores que durante mais 37 anos mantêm os portugueses unidos na esperança de um País cada vez melhor”, defendeu José Mário Ferreira de Almeida, Presidente da Assembleia Municipal.

Autarcas, representantes de diversas instituições locais e muitos cidadãos anónimos participaram no programa de comemorações do 37º Aniversário da Revolução dos Cravos, organizado pelo Município de Lamego. Uma celebração composta pela realização de diversas iniciativas de índole social, cultural e desportiva que visou manter viva a memória dos ideais de Abril.

Tal como em anos anteriores, durante a sessão solene da Assembleia Municipal comemorativa do Dia da Liberdade foram homenageados as mulheres e os homens cujo empenho e dedicação permitiram a construção de um “concelho melhor”. As celebrações deste ano evocaram muito especialmente as instituições de sociedade civil que, nas palavras de José Mário Ferreira de Almeida, “se dedicam ao bem comum, à solidariedade, à assistência aos mais desfavorecidos, seja pela falta de recursos materiais, seja pela ausência de amparo na solidão, no infortúnio ou na doença”. Após elencar as instituições que, no concelho de Lamego, baseadas no voluntariado, “fazem aquilo que o Estado dito social muitas vezes não faz porque não é capaz de fazer ou porque não quer fazer”, o Presidente da Assembleia justificou que esta “palavra de apreço e gratidão pelo que fazem em prol desta comunidade” é justificada porque “para ser livre, uma sociedade só pode ser solidária”.

A atribuição da segunda edição do Prémio Escolar Dr. Fernando Amaral ao aluno Carlos Tiago Almeida, do Colégio de Lamego, constituiu outro ponto alto destas celebrações, um galardão que distingue os textos de maior mérito da autoria de jovens lamecenses sobre os Valores da Democracia Local, o Estado de Direito e Cidadania e os Direitos Humanos. O júri conferiu esta distinção, por unanimidade, tendo em conta o facto do seu trabalho adequar os valores da República com a Declaração Universal dos Direitos do Homem.

Francisco Lopes, Presidente da Câmara Municipal, deixou uma palavra de gratidão e saudade ao patrono do prémio: “Num momento particularmente difícil para o nosso país, quando se discute a quase insolvência das contas públicas (…) urge olhar para trás e no exemplo dos grandes vultos do passado, nesses gigantes morais, como foi o Dr. Fernando Amaral, ver e moldar o perfil que queremos para os políticos do futuro. Bem-haja Dr. Fernando Amaral pelo seu exemplo de vida e de serviço”.

A evocação da memória de Abril na cidade de Lamego terminou na manhã  do dia 26 com a realização da 3ª Assembleia Municipal do Futuro, um fórum de debate e partilha de ideias este ano dedicado à Violência Escolar. Os alunos do Colégio de Lamego, do Colégio Imaculada Conceição, da E.B. 2, 3, da Escola de Hotelaria e Turismo, da Escola Profissional, da Escola Rural e Social, da Escola Básica e Secundária da Sé, da ES/ Latino Coelho e da Obra Kolping dissertaram sobre um fenómeno caracterizado por actos de violência física e psicológica, feitos de forma continuada e repetida nas escolas. Divulgar as estratégias de prevenção e intervenção eficazes para travar ou minimizar este problema foi uma preocupação comum a todos os intervenientes. Os jovens aproveitaram ainda este encontro para interpelarem directamente Francisco Lopes sobre algumas obras e iniciativas promovidas pela autarquia, procurando aprofundar o seu conhecimento sobre diversas questões ligadas à vida da cidade.

José  Mário Ferreira de Almeida elogia “o saudável desassossego das novas gerações”: “Recebemos o estímulo dado pelos nossos jovens que, contrariando a ideia de desinteresse pela vida cívica e pelos valores da democracia, demonstram compreender e aceitar os fundamentos do regime em que vivemos e subscrever os valores essenciais e quem os protagoniza”.

As celebrações do 25 de Abril na cidade de Lamego voltaram uma vez mais a proclamar os valores da Democracia, resistindo às dificuldades do tempo presente. A encerrar os festejos, o palco do Parque Isidoro Guedes acolheu um concerto de música pela Banda Filarmónica de Lalim e foi cumprida, mais uma vez, a Caminhada da Liberdade e o Grande Prémio de Atletismo Lamego-Avões, uma organização da Associação Desportiva de Avões.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *