Sociedade, Valongo

Valongo é membro fundador da Rede Ibérica da Máscara

A Câmara Municipal de Valongo é um dos membros fundadores da recém-criada Rede Ibéria da Máscara, organismo que tem como grande objectivo lançar uma candidatura a Património Mundial da Humanidade da UNESCO, onde se inclui naturalmente a Bugiada.

A Rede Ibérica da Máscara tem por objectivo criar uma estrutura que apoie, aconselhe, estude e divulgue a temática; a troca de informações e conhecimentos sobre a temática dos rituais com máscara, bem como o apoio à divulgação dos eventos que acontecem dentro da rede. Desenvolver uma maior visibilidade turístico-cultural dos rituais da máscara, apoiar nos contactos entre os sócios da rede e as entidades públicas e organismos internacionais, assim como criar uma plataforma tecnológica de apoio são outros dos objectivos comuns que a Rede Ibérica da Máscara se propõe cumprir.

Foi com este espírito de união que a Prodestur – Associação para o Desenvolvimento e Promoção do Turismo Cultural Ibérico – avançou para a criação da Rede Ibérica da Máscara, estrutura onde está representada Câmara Municipal de Valongo, através do vice-presidente da autarquia, João Paulo Baltazar. O concelho de Valongo e a Bugiada estão ainda representados na Rede Ibérica da Máscara por António Pinto, da Casa do Bugio e Carlos Mota, presidente da Junta de Freguesia de Sobrado.

O passo decisivo na criação desta estrutura foi dado recentemente em Zamora, num encontro onde estiveram presentes cerca de 60 pessoas provenientes de diversas zonas de Portugal, nomeadamente Valongo, Bragança e Mira, e Espanha (Galiza, Astúrias, Cantábria, Zamora e Burgos) com o objectivo de criar sinergias e uma base de dados que permitirá a todos partilhar informação e documentação sobre as suas tradições. Para além da prossecução dos objectivos enumerados, será realizado um trabalho académico que agregará os conhecimentos de especialistas das tradições dos rituais da máscara, nomeadamente de Manuel Pinto, da Casa do Bugio, Bernardo Calvo, de Zamora, de César Rodriguez Fernández, da Cantábria, e de Oscar González, das Astúrias.

 

Artigo AnteriorPróximo Artigo

1 comentário

  1. Fico contente por finalmente ter conhecimento de algum movimento por parte das entidades responsáveis, relativamente ao divulgar além fronteiras das nossas raízes e tradições(bugiada).
    Digo isto com conhecimento de causa, porque decorreu na FIL, uma feira de turismo, o mês passado, e fiquei triste em não ver lá apresentado um stand ou algo parecido sobre os BÚGIOS.
    Mas nunca é tarde, vamos trabalhar nesse sentido, bem hajam e até dia 24, porque lá estarei trajado de BÚGIO…..oóoóóo´ela é nossa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *