Portimão, Sociedade

Exercício “Intempéries 2011” vai testar capacidade de resposta a uma tempestade de grande impacto – Portimão

No dia 17 de Março vai ter lugar em todo o concelho de Portimão o exercício “Intempéries 2011”, planeado e conduzido com a finalidade de testar e exercitar o Sistema de Protecção Civil Municipal a uma tempestade de grande impacto e que provará inúmeros danos materiais e pessoais.

Neste âmbito, a Comissão Municipal de Protecção Civil, os agentes de protecção civil locais participantes, as entidades cooperantes e o Serviço Municipal de Protecção Civil de Portimão actuarão como se de uma situação real se tratasse, procedendo às acções necessárias para a resolução da mesma, uma vez que, após a aprovação do Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Portimão (PME), importa assegurar que o mesmo é efectivo na resposta a eventuais acidentes graves ou catástrofes que aconteçam no município.

“Tempestade com grande força destrutiva”

Segundo o cenário fictício traçado para este exercício, onde serão empregues meios LIVEX – Live Exercise para teste do referido PME, entre as 7h00 e as 10h00 de 17 de Março o Barlavento Algarvio é atingido por chuva intensa, vento forte e trovoada, provocando múltiplos danos pessoais e materiais na área do município de Portimão, nomeadamente famílias desalojadas, sítios isolados, pontes destruídas, estradas intransitáveis, postes de electricidade, árvores e muros derrubados, sistemas de saneamento básico inutilizados e muitas culturas desfeitas.

Os cursos de água que percorrem o concelho transbordam e a água provocará grande destruição junto às margens. Logo pela manhã, registam-se ocorrências na zona do Poço Seco e as Estradas Nacionais 124 e 125 ficam condicionadas.

Uma das situações mais complexas verifica-se na Ribeira do Farelo, que corre junto à  povoação da Figueira, onde a água transborda o seu leito normal e inunda várias habitações, estabelecimentos comerciais e a Estação Elevatória de Águas, no sítio das Fontaínhas. Também danifica a Estação de Tratamento de Águas Residuais da Figueira, onde há informação de que dois funcionários são arrastados pelas águas.

Na baixa da Figueira, há habitações inundadas e muitos bens destruídos, prevendo-se ser necessário evacuar duas famílias. Há ainda informação que existem três pessoas com ferimentos que necessitam assistência.

Encontra-se interrompido o abastecimento de água, na Figueira e Mexilhoeira Grande, bem como o de energia eléctrica, este devido à queda de vários postes de alta tensão que alimentam a freguesia.

Toda a rede viária municipal apresenta danos consideráveis, tendo várias pontes e pontões sido sumariamente destruídos.

Na zona do Canafechal foi delineado um cenário de intervenção, o qual pressupõe o abatimento de estradas junto a uma ribeira, tendo sido arrastado um veículo e provocadas vítimas, admitindo-se a existência de mortes. Pelo envolvimento de meios previstos, recomenda-se à comunicação social que pretenda captar imagens do “Intempérie 2011” para acompanhar, a partir das 10h00, esta componente do exercício.

Ainda na freguesia da Mexilhoeira Grande, a zona da Senhora do Verde encontra-se isolada e várias habitações ficam danificadas, sendo necessário evacuar cinco famílias. Neste local há notícia da morte, por afogamento, de vários animais de raça caprina e bovina.

Face à situação verificada e às informações recebidas, o presidente da Câmara de Portimão determina a convocação da CMPC – Comissão Municipal de Protecção Civil, tendo em vista a análise da situação e a preparação de eventuais medidas a tomar, assegurando desde logo a direcção e coordenação das operações de salvamento, protecção e socorro.

A CMPC decidirá sobre a eventual activação do PME local e sobre a declaração da Situação de Alerta. O Comando Distrital de Operações de Socorro de Faro da Autoridade Nacional de Protecção Civil e o Governo Civil serão informados da situação, admitindo-se a necessidade de solicitar reforço de pessoal e meios materiais.

Ao longo da manhã  continuam a verificar-se períodos de chuva muito fortes e ventos na ordem dos 100km/h, que juntamente com as descargas das barragens do Funcho, Arade, Odelouca e a preia-mar, irão agravar a situação, nomeadamente na baixa de Portimão.

Prevê-se que os locais mais afectados sejam o Largo Gil Eanes, Largo do Dique, Rua Júdice Biker, Rua de S. José, zonas do Sapal e do Estrumal, podendo ocorrer prejuízos em várias casas particulares e comerciais, bem como afectar o trânsito automóvel. A Avenida Paul Harris e o Túnel das Cardosas também poderão ficar interrompidos devido à acumulação de água.

O estado do mar está  bastante alterado e dois turistas que passeavam no molhe oeste da barra de Portimão foram arrastados por uma onda para o estuário do rio Arade.

Na Marina de Portimão registam-se estragos causados pelo mar que desassoreou a praia, tendo colocado algumas infra-estruturas (canalizações de águas pluviais, saneamento e gás natural) a descoberto.

A situação nas escolas também é afectada pelas condições meteorológicas, verificando-se nalguns casos inundações que poderão obrigar à evacuação dos alunos, merecendo especial atenção os Jardins de Infância das Vendas e de Montes de Alvor.

De referir que as escolas do município foram convidadas a testar neste exercício os seus procedimentos no tocante à evacuação de alunos.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *