Cultura, Póvoa de Varzim

Acção de formação sobre “Poesia Experiment​al Portuguesa​” – P. Varzim

Está patente na Biblioteca Municipal, e até 16 de Abril, a exposição “Poesia Experimental Portuguesa” da Colecção da Fundação de Serralves.
No âmbito desta mostra terá lugar, no dia 21 de Março, uma acção de formação dirigida por Samuel Silva, do Serviço Educativo da Fundação de Serralves.

A acção irá decorrer durante todo o dia, na Biblioteca Municipal, e serão sugeridos diversos exercícios no sentido de colocar o espectador como participante na construção de novos significados e sentidos e na descoberta de nós mesmos na interpretação das obras. Ao mesmo tempo serão propostas actividades que têm como objectivo constituírem-se como exemplos de ferramentas úteis que possam ser utilizados em contextos futuros nas actividades profissionais dos participantes. Procura-se, ainda, uma reflexão sobre a relação das palavras com o lugar, a forma como estas podem provocar, ampliar ou descontextualizar o espaço onde se inscrevem e vice-versa.
 
“A exposição “Poesia Experimental Portuguesa” da Colecção da Fundação de Serralves, comissariada por João Fernandes, director do Museu de Serralves, reúne e apresenta obras e edições paradigmáticas desta intervenção experimental, realizadas entre a década de 60 e a década de 80, abrangendo assim um período compreendido entre 1964, data da edição do primeiro número dos “Cadernos de Poesia Experimental”, e 1984, data da recolha dos materiais presentes em “Poemografias”, o último livro e exposição que reúnem nomes históricos do experimentalismo com alguns dos seus mais recentes continuadores. São apresentadas nesta exposição obras de Ana Hatherly, António Aragão, António Barros, Ernesto de Melo e Castro, Fernando Aguiar, Salette Tavares, os nomes mais representativos do Experimentalismo português ao longo deste período.
A relação entre arte e linguagem tem sido, ao longo do século XX, um dos mais profícuos contextos para a superação dos limites a que uma história dos géneros artísticos parecia ter confinado a arte ocidental. Se, por um lado, muitos poetas espacializaram os seus textos, explorando as possibilidades gráficas que a escrita lhes proporcionava, por outro, inúmeros artistas visuais partiram da palavra e do texto para a abolição das fronteiras que isolavam a arte da experiência da vida quotidiana e acondicionavam uma discussão e um conhecimento sem limites da natureza do processo artístico”.
 
Recorde-se que esta exposição e, consequentemente a acção de formação, realizam-se ao abrigo de um Protocolo estabelecido entre o Município da Póvoa de Varzim e a Fundação de Serralves.
Enquanto Fundadora de Serralves – estatuto adquirido em 2008 – a Câmara Municipal pretende desenvolver um conjunto de iniciativas que promovam a cultura contemporânea e a sensibilização ambiental na área das suas atribuições institucionais, bem como beneficiar das competências especializadas da Fundação, nomeadamente na área das Bibliotecas Municipais.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *