Óbidos, Sociedade

Óbidos recicla 20 por cento dos resíduos sólidos urbanos

Óbidos recicla, neste momento, cerca de 20 por cento da totalidade dos resíduos produzidos no concelho, somando 1068 toneladas. Se compararmos com a média da região Oeste (8,7 por cento*), ou, até mesmo, com a média nacional (12 por cento*), Óbidos está, claramente, na linha da frente.

Os dados foram recolhidos pelos Serviços de Ambiente do Município e, segundo Humberto Marques, vereador do Ambiente, resultam “de uma política municipal de envolvimento de todos”. “É nesse propósito que queremos fazer um agradecimento a toda a população que, de modo voluntário, se associou ao programa Custa Menos Separar”, sublinha.

Recorde-se que este processo começou, em Março de 2007, e permitiu a criação de um sistema de recolha selectiva de resíduos sólidos urbanos mais cómodo para o utilizador, ambientalmente mais sustentável e mais económico a médio e a longo prazo, evitando, com isso, o aumento da tarifa dos resíduos.

Nessa data apenas eram reciclados 4 por cento da totalidade dos resíduos produzidos no Concelho de Óbidos. Em apenas 4 anos de projecto, o Concelho de Óbidos passou a reciclar cerca de 20 por cento da totalidade de resíduos.

Comparando estes valores com a taxa média de reciclagem, quer da Zona Oeste, que é de 8,7 por cento, quer com a média nacional, que é de 12 por cento, “podemos concluir que o Concelho de Óbidos apresenta valores muito positivos relativamente à quantidade de resíduos que envia para reciclagem”, destaca o autarca, acrescentando que conseguiu ainda reduzir-se “em 3,5 por cento a quantidade de resíduos indiferenciados depositada em aterro, atingindo um dos principais objectivos do projecto”.

Numa carta a dirigir à população do concelho de Óbidos, Humberto Marques afirma que “estes resultados excelentes só foram possíveis graças à colaboração de todos os munícipes”, sendo Óbidos, actualmente, “uma referência Nacional” nesta matéria.

“Estamos conscientes que ainda é possível crescer mais na separação do lixo. Basta que, para isso, se mobilizem todos os que, até hoje, se têm mostrado mais indiferentes a este tema”, apela.

* Relatório Anual do Sector de Águas e Resíduos de Portugal 2009 – Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos

Artigo AnteriorPróximo Artigo

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *