Póvoa de Varzim, Sociedade

Município implementa medidas para reduzir em 300 mil euros factura anual de electricidade – P. Varzim

Com o objectivo de reduzir a despesa corrente, a Câmara Municipal da Póvoa de Varzim vai reduzir significativamente o consumo de energia eléctrica da rede pública.
De acordo com estudos desenvolvidos pela autarquia, através da implementação de um projecto e de um acordo com a EDP, será possível baixar em um terço os gastos de electricidade, passando a facturação de 900 mil euros em 2010 para 600 mil euros em 2011.
Os contornos do plano, e que em muitas artérias da cidade já são visíveis com a redução da luz artificial à noite, assentam em quatro medidas fundamentais.
1ª Medida: Instalação de relógios astronómicos em todos os Postos de Transformação do concelho, com funcionamento digital pré-programado de acordo com a evolução diária do número de horas de luz natural, de modo a regular e reduzir o número de horas de ligação de iluminação pública, através da qual se estima uma redução de consumos até 10% da facturação total;
2ª Medida: Redução de todas as lâmpadas de potência igual ou superior a 250 wats para 150 wats, que vai permitir reduzir mais cerca de 10% em relação à facturação total;
3ª Medida: Desligar permanentemente uma armadura em locais onde nitidamente se atinge níveis elevados de luminância, nomeadamente e numa primeira fase na Avenida Mousinho de Albuquerque, Avenida do Mar, Avenida 25 de Abril, Avenida Santos Graça e na Avenida dos Banhos desligar uma lâmpada em cada coluna dupla e uma coluna sim coluna não nas colunas simples; no Largo do Passeio Alegre transformar a iluminação indirecta em iluminação directa. Adoptar progressivamente medidas similares noutros pontos do concelho em função de avaliações a efectuar no terreno. Com esta medida, o município estima reduzir 3% na factura anual.
4ª Medida: Desligar toda a iluminação decorativa do concelho à 1h00 da madrugada irá reduzir a factura em 7%.
José Macedo Vieira, Presidente da Câmara Municipal, considera que esta medida “é relevante a nível nacional no que concerne à redução do consumo de energia do país, mas também importante do ponto de vista económico e financeiro da autarquia”. O autarca referiu que “num período difícil e de crise, com a diminuição das receitas da autarquia, temos que tomar medidas excepcionais”.
O Presidente da autarquia não teme que o plano de redução da iluminação da cidade possa ter impactos negativos a nível da segurança ou da atractividade turística.
“Não vai haver ausência de iluminação, apenas uma redução” reforçou José Macedo Vieira, anunciando que outras cidades vão tomar a decisão e “já passei, à noite, por algumas ruas abrangidas com esta redução e acho que estão bem”, concluiu.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

1 comentário

  1. É lamentavel que a custa da crise tudo vale… Ao em vez de melhorar as condições de vida, animação e bem estar para que mais e mais gente visite a Povoa e traga dinheiro; não, o Srº Presidente resolve o problema da crise com cortes radicais…. de facto o melhor que uma familia tem a fazer em momentos de crise não é tentar arranjar mais dinheiro para fazer face a despesa mas sim deixar de comer, com o onús de vir a padecer de uma ou outra doença mais tarde. Srº Presidente o senhor preside a um dos Municipios mais belos do País, com um potêncial turistico superior a qualquer outro municipio, não o estrague e se não sabe fazer mais do que isso tenha a coragem de sair e dar lugar a outros com visão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *