Cultura, Santa Maria da Feira

Exposição de Serralves e homenagem a Manoel de Oliveira encerram programa – Santa Maria da Feira

A exposição Bravo, Lapa e Palolo, da Colecção de Serralves, que inaugura a 11 de Dezembro, e a presença de Manoel de Oliveira no Festival de Cinema Luso Brasileiro, no dia 12, encerram as comemorações do 10º aniversário da Biblioteca Municipal de Santa Maria da Feira.  

Ao longo deste ano, o Município de Santa Maria da Feira assinalou o 10º aniversário da abertura do novo edifício da Biblioteca Municipal.  

10 anos marcados por uma intensa actividade, que trouxe a este equipamento mais de um milhão de visitantes e utilizadores.  

10 anos de momentos únicos que, indelevelmente, marcam a história desta Biblioteca: que acolheu vultos da cultura mundial como Eduardo Lourenço, José Saramago Salman Rushdie, Francesco Alberoni, Gianni Vattimo, Bernard Henri-Lévy, Vasco Graça Moura, Roberto Saviano, Shirin Ebadi, Kurt Westergaard e tantos outros, que partilharam as suas inquietudes e a sua visão do Homem e do mundo. 

10 anos marcados pela preocupação de promover o contacto com o artista e o objecto artístico, com exposições de Antonio Possenti, Luca Alinari, Spencer Tunick, Paulo Neves, Júlio Pomar, Graça Morais, Armanda Passos, David Almeida, entre outros; no cinema, com a participação, no Festival de Cinema Luso Brasileiro, dos maiores vultos da cinematografia portuguesa e brasileira. 

10 anos cuja celebração culminará com a inauguração, no dia 11 de Dezembro, pelas 17h30, da exposição Bravo, Lapa e Palolo, constituída por obras da Colecção da Fundação de Serralves, e no dia 12, pelas 21h30, com a presença de Manoel de Oliveira, no contexto do Festival de Cinema Luso Brasileiro, onde lhe será prestado um tributo pela sua obra, no seu 102º aniversário. 

Durante 10 anos, procurámos compor a felicidade de cada um, pois cremos, apropriando-nos das palavras de José Saramago, no texto introdutório do catálogo da exposição colectiva, apresentada no ano em que celebrou, na Biblioteca Municipal de Santa Maria da Feira, o seu 80.º aniversário, que “… Ao invés do que se imagina, a felicidade não é uma coisa só. A felicidade é uma saca de linhagem que contém coisas pequenas e grandes, um pão, um afecto, uma ideia, uma sede de água, a luz de uma vela, uma toalha de mesa, a dobra de um lençol, uma folha de papel escrita, outra por escrever, um ramo de árvore, uma flor de cacto, uma nuvem, o sopro do vento, o passo da chuva, o regresso do sol, uma pedra na mão, o universo inteiro…”.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *