Portimão, Sociedade

Portimão participa no exercício “Algarve SISMAR’10”, que testará resposta da região ao risco de sismos e tsunamis

A Comissão Municipal de Protecção Civil de Portimão vai participar activamente no exercício “Algarve SISMAR’10”, marcado para o dia 29 de Novembro pelo Comando Distrital de Operações de Socorro de Faro, com vista a testar o Plano Especial de Emergência de Protecção Civil para o Risco Sísmico e de Tsunamis na Região do Algarve (PEERST-Alg). 

O simulacro, que decorrerá entre as 08h00 e as 17h00 e envolverá os 16 municípios algarvios, considera a ocorrência de um sismo de magnitude elevada (8,7 na escala de Richter) com epicentro na Falha de Gorringe e características semelhantes ao terramoto de 1755, sendo de ressalvar – no sentido de tranquilizar a população – que não há quaisquer indícios de que este cenário fictício venha a acontecer num futuro próximo. 

Apurar a resposta operacional do PEERST-Alg perante uma situação de catástrofe é o objectivo deste exercício sem meios reais, planeado e conduzido em modo de posto de comando, sendo de referir que o Município de Portimão é um dos dois únicos que no Algarve a possuir Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil, aprovado pela respectiva Comissão Nacional, o qual será testado para eventuais ajustamentos. 

Segundo o cenário delineado, ao hipotético sismo, cujo epicentro será localizado a oeste-noroeste e 228,6 km de Faro, seguir-se-ão vários eventos, como a vibração de terrenos, tsunamis e liquefação de solos, que darão origem ao colapso de vários edifícios, pontes, viadutos, vias-férreas e rodoviárias, bem como cheias, incêndios e outros incidentes devastadores que, no seu conjunto, provocarão, para além de um elevado número de vítimas, avultados danos materiais e ambientais. 

Com recurso a um simulador de cenários sísmicos, uma inovadora aplicação informática de georreferência para apoiar a decisão nas primeiras horas e para orientação de equipas nessas circunstâncias, será avaliado com precisão o grau de destruição causado pelo cenário traçado, nomeadamente calculando o seu impacto ao nível de um quarteirão. 

Os procedimentos previstos serão acompanhados por uma equipa de observadores e avaliadores, que tem por missão apurar a eficácia e eficiência obtida, no âmbito deste instrumento de suporte ao Sistema de Protecção Civil. 

O dispositivo possibilitará desenvolver políticas de prevenção e protecção adequadas para a região, quantificando as vulnerabilidades para se poder estimar eventuais danos directos, face a diferentes cenários de catástrofes sísmicas.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *