Sociedade

Especialistas debatem o sector a convite da CONCRETA 2011

     Falta quase um ano, mas a edição 25 da Feira Internacional de Construção e Obras Públicas já mexe e tem o lançamento marcado para 4 de Novembro próximo, num palco de eleição: o 3.º Congresso CONCRETA, desta vez subordinado ao tema «Portugal no mundo: 30 anos de arquitectura, construção e engenharia» (programa completo disponível em www.concreta.exponor.pt).

     O acontecimento leva à tribuna do Centro de Congressos da EXPONOR, das 10 às 18 horas, nomes já habituados a pensar – e a fazer – o sector. Basílio Horta, presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, Reis Campos, presidente da Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário, António Mota, presidente do Conselho de Administração da Mota-Engil, Hipólito Ponce de Leão, coordenador do Projecto da Plataforma para a Mobilidade e Cooperação das Engenharias Norte de Portugal – Galiza (PLATENG) e os arquitectos Souto Moura, Gonçalo Byrne, João Álvaro Rocha e Teresa Novais (presidente da Secção Regional Norte da Ordem dos Arquitectos).

     A eles juntar-se-ão Valente de Oliveira, administrador da Associação Empresarial de Portugal (AEP), Daniel Quintã, da Iperforma – Arquitectura e Engenharia, Paulo Ribeirinho Soares (Ordem dos Engenheiros), Carlos Nárdiz Ortiz (decano do Colégio de Engenheiros dos Caminhos, Canais e Portos da Galiza), José de Matos (secretário-geral da Associação Portuguesa de Comerciantes de Materiais de Construção), Jorge Moreira da Costa (Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto) e Hans Ibelings (crítico de arquitectura e editor da revista holandesa especializada «A10 Nova Arquitectura Europeia»).

     São cinco os painéis em agenda: a internacionalização empresarial, as parcerias internacionais dos gabinetes de arquitectura, o caso Portugal-Espanha, os factores de qualidade no estímulo da competitividade e no aumento da exportação e, por último, a diplomacia económica.

     A sessão de encerramento caberá ao presidente da AEP, José António Barros.

      A jornada pretende valorizar os resultados da produção portuguesa no mundo, no campo da arquitectura, engenharia e construção; identificar os desafios que estas três áreas têm pela frente; e apontar os caminhos da conquista de novos e melhores mercados internacionais.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *