Cultura, Trofa

Trofa presta homenagem a Heliodoro Salgado

No âmbito das comemorações do Centenário da República Portuguesa, a Câmara Municipal da Trofa, através do Gabinete de Património Cultural, está a preparar uma exposição dedicada ao ilustre cidadão trofense Heliodoro Salgado.
 
A exposição, intitulada “Heliodoro Salgado e a República”, vai inaugurar no próximo dia 5 de Outubro, na Casa da Cultura da Trofa.
 
Esta apresentação histórica é uma exposição cronológica, ilustrada dos acontecimentos a montante e a jusante do 5 de Outubro de 1910, com enfoque na personalidade e obra de Heliodoro Salgado, personalidade marcante da República, nascido na Trofa.

Heliodoro Salgado foi um escritor, jornalista republicano e livre-pensador, que nasceu na Trofa, em 8 de Julho de 1861 e faleceu em Lisboa em 12 de Setembro de 1906. Ficou órfão de pai, em pequeno, pelo que foi educado e instruído no Colégio dos Meninos Órfãos, da cidade do Porto.
 
Inteligente e estudioso foi professor primário e dedicou-se depois ao jornalismo. Pertenceu ao Partido Republicano Português, tendo falado em muitos comícios organizados pelo mesmo partido político, assim como pertenceu à Maçonaria, tendo sido elemento destacado da loja Elias Garcia e do Conselho da Ordem.
 
Foi redactor do jornal “O Século”, quando Magalhães Lima era seu director, e colaborador de quase todos os jornais republicanos do seu tempo, redactor de muitos, e até fundador de alguns. No jornal “O Mundo” usou os pseudónimos de Ivanhoé e Ismael.
 
Escreveu um livro de versos (“Através das Idades”) e numerosos folhetos e brochuras de propaganda política republicana, e traduziu “O Socialismo Integral” de Benoit Malons, e foi o autor do “Catecismo Liberal” (adaptado da Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira).

Artigo AnteriorPróximo Artigo

3 comentários

  1. Gostaria de obter maiores informações sobre Heliodoro Salgado, irmão de meu bisavô Augusto César Salgado. Em breve pretendo ir a Portugal e visitar os lugares por onde viveram e fizeram sua história. Outros dois irmãos, Ângelo e Frederico, tb vieram para o Brasil, deste último nada se sabe. Tb nos consta q tinham uma irmã, q morreu vítima de um incêndio em um teatro. Caso tenham alguma informação, desde já, sou grato.

  2. Tenho alguns dados sobre Heliodoro Salgado, cujo pai (Eduardo Salgado) agrimensor, veio para a Trofa, aquando da rectificação da Estrada Nacional 14 (Porto – Braga), devido à construção da Ponte Pênsil sobre o Rio Ave. A mãe de Heliodoro Salgado está sepultada no cemitério de Santiago de Bougado (Cidade e Concelho da Trofa). Uma irmã ( Professora Lucina Amália Salgado) morreu no incêndio que destruiu, em 20/21 de Março de 1888, o antigo Teatro Baquet, no Porto (onde hoje está o Sá da Bandeira). O outro filho (Augusto) foi para o Brasil. E poderei adiantar mais alguns elementos.
    Cumporimentos do
    Costa Ferreira

  3. Prezado Senhor, somente hoje tomei conhecimento de sua resposta e, estive em Portugal entre os dias 29/07 e 17/08, entre a Madeira e o Continente, percorrendo ainda outros países da Europa, tendo pouco tempo para explorar os assuntos e locais relacionados à família, infelizmente. O túmulo do meu tio-bisavô, segundo consulta no Google, é o mausoléu dos republicanos, do 05 de outubro, no Alto de São João, em Lisboa, e esse eu tive a oportunidade de visitar, na impossibilidade de localizar o do meu bisavô, Augusto, pois há informações conflitantes se estaria enterrado no Agramonte, no Porto, ou em Guimarães. Reitero agradecimentos sobre as informações que já foram repassadas e outras, caso estejam disponíveis.
    Um grande abraço.
    José A. Medina Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *