Cultura, Trofa

Arte Sacra e Santeiros da Trofa reconhecidos internacionalmente

A Câmara Municipal da Trofa, com o objectivo de impulsionar o conhecimento sobre o património cultural do Concelho, está a divulgar as tradições e costumes mais conhecidos da região. Uma iniciativa que coincide com as Jornadas Europeias do Património.
 
Do artesanato local do Concelho Trofense, destaca-se a importância da arte sacra, reconhecida a nível nacional e internacional.
 
A arte sacra sempre foi um importante meio de expressão de artistas populares. O culto católico aos santos criou condições propícias para que muitos artistas populares se expressassem.
 
Na igreja matriz de Covelas existem duas belíssimas peças de grande importância para a história da Arte Sacra: uma imagem de Nossa Sra. das Neves, em pedra de Anca, policromada e dourada, que remonta ao século XV, e uma custódia em prata dourada do século XVI.
 
Também na igreja matriz de Muro, do espólio de arte sacra aí existente, destaca-se um curioso relicário em prata dourada, com templete como as custódias seiscentistas.
 
Os santeiros da Trofa são célebres, sendo as esculturas de vários artistas uma referência, sobretudo em S. Mamede do Coronado, onde sobressaem os nomes dos artesãos Manuel Thedim e Avelino Vinhas, entre outros ateliers de arte sacra.
 
 
SANTEIRO DA TROFA ESCULPIU IMAGEM DA CAPELINHA DAS APARIÇÕES NO SANTUÁRIO DE FÁTIMA
 
 
Contudo, o Santeiro com mais destaque é sem dúvida José Thedim, escultor da imagem de Nossa Senhora de Fátima, que se encontra na capelinha das aparições, no Santuário de Fátima.
 
José Thedim nasceu em S. Mamede do Coronado em 1892 e aí morreu em 1971. Assim como seu pai e irmãos, José Thedim ganhou o gosto pela escultura.
 
As suas estátuas primavam pela exuberância, sendo o único, da sua época, a moldar, a desenhar e a fazer. Seria esse profissionalismo que levaria a Igreja a escolher Thedim para talhar a figura de Nossa Senhora de Fátima.

Sem figura para assinalar o 13 de Maio, o Santuário encomendou uma imagem à Casa Fânzeres, de Braga, que a confiou a Thedim. Mas o contacto não terá sido casual, já que Thedim era amigo do antigo pároco de S. Mamede, e o bispo de Leiria, na época das Aparições, era de S. Pedro de Fins.

Escolhido o santeiro, Thedim foi levado até à irmã Lúcia para recolher dados para o trabalho. Acabada a obra, com um metro e três centímetros de altura, a imagem seguiu para o Santuário, e foi benzida pelo pároco de Fátima a 13 de Maio de 1920, e a 13 de Junho foi colocada na Capelinha das Aparições.
 
 A partir daí o trabalho de Thedim internacionalizou-se a tal ponto que, em 1931, Pio XI atribuiu-lhe o título de Comendador da Santa Sé.
Incansável, o escultor criou, em 1947, a Virgem Peregrina, seguiu-se S. João de Deus, “Pietá”, várias homenagens e um pedido especial do antigo presidente norte-americano, Eisenhower, que lhe encomendou uma “Santane de Beauprais”.

Hoje, a obra de Thedim está espalhada por galerias, igrejas, mosteiros e conventos de todo o Mundo. 
A Câmara Municipal da Trofa procura dar a conhecer toda a tradição do Concelho, de forma a que as gerações futuras nunca percam as suas raízes, e continuem a promover o rico património trofense.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

0 comentários

  1.  Os santeiros da Trofa são célebres
    Trofa…possui singular, emblemático e célebre património.
    A iniciativa espelha a vocação cultural do município…….assim contribui para o desenvolvimento da actividade cultural e turística do concelho e do nosso país.

    Diz Rosa Garrigós (Garrigós, 1998: 171), gerir o Património Cultural, será “(…) administrá-lo de tal modo que, não só não se deteriore e pereça, mas que também se reabilite, se enriqueça, seja conhecido e disfrutado por todos e se converta num elemento de desenvolvimento económico e social” …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *