Desporto

Rei David coroado em Lisboa na vitória de Cândido Barbosa

Confirmou-se o favoritismo de David Blanco. O espanhol venceu a 72ª Volta a Portugal Lagos Sports em Bicicleta sendo coroado perante uma multidão que saiu à rua para ver, este domingo, a grande festa do ciclismo terminar no coração da capital portuguesa. Com esta vitória, a quarta no historial da prova, Blanco igualou o recordista Marco Chagas. 

A décima, e última etapa, discutida entre Sintra e Lisboa foi marcada pelo triunfo de Cândido Barbosa (Palmeiras Resort-Prio), pródigo em agradecimentos pelo carinho que lhe tem sido dispensado ao longo da prova. Cândido foi segundo na etapa mas declarado vencedor depois do júri decidir a desclassificação do francês Julien Simon (Saur) por irregularidade no “sprint”. 

Na única classificação que estava por decidir nos últimos quase 155 quilómetros de competição, a dos Pontos, que pertencia a David Blanco, acabou por ficar na posse de Sérgio Ribeiro (Barbot-Siper). Nas outras classificações o panorama não se modificou, com David Blanco vencedor da montanha, Alfredo Balloni (Lampre) líder da juventude, e a Barbot-Siper a triunfar colectivamente. 

A palavras dos protagonistas  

“Não há palavras para descrever aquilo que sinto – começou por dizer o vencedor da Volta, David Blanco. “Nunca imaginei que poderia conseguir quatro vitórias” – prosseguiu.

“Estou lá em cima, nas nuvens. Desde o ano passado, quando venci da forma que todos sabem, fiquei um pouco frustrado e acho que a equipa, os patrocinadores e eu merecíamos ganhar na estrada, pois é lá que eu costumo ganhar”. 

O vendedor da última etapa, concluída na Avenida da Liberdade após um circuito de seis voltas entre a Praça dos Restauradores e o Campo Pequeno explicou o sprint da polémica: “Arranquei a cerca de 250 metros, sprintei e mantive-me na frente, mas na parte final tocaram-me, desequilibrei-me e já não consegui fazer o lançamento da bicicleta. Pensei que tinha perdido a etapa porque foi o francês que cortou a meta à minha frente. Não é desta forma que gosto de ganhar. Foi a primeira vez que, fazendo segundo, acabei por ganhar. Esta vitória não tem para mim qualquer sabor, mas considero que lutei para chegar a ela.” 

Festa do ciclismo no coração de Lisboa 

Não foi de passeio esta última etapa que trouxe a Volta a Portugal de Sintra a Lisboa passando pela região saloia. A corrida caracterizou-se por uma sucessão de ataques que mantiveram em alerta a equipa tavirense. Sérgio Ribeiro (Barbot-Siper), candidato à camisola branca, arrecadou três pontos na meta volante de Pêro Pinheiro (Km. 31) e, na aproximação à subida de Cheleiros, que já não contava para nada, uma vez que David Blanco já era o virtual vencedor da montanha, registaram-se, movimentações que terminaram com a vitória do italiano Enrico Magazzini (Lampre).  

Por fim um ataque de onze corredores nada trouxe de novo ao panorama da corrida, e só  nas voltas ao circuito no centro de Lisboa viria a travar-se luta renhida. O combate não impediu uma chegada ao “sprint” em condições que levaram à vitória de Cândido Barbosa, por desclassificação do francês Julien Simon (Saur). 

 
 
 
 
 
 
 

David Blanco em notas biográficas 

Com a subida ao pódio do galego, nascido na Suiça, e que se considera “meio português”, caiu o pano sobre a 72ª edição da Volta a Portugal em Bicicleta Lagos Sports. empresas com pós-graduação em Cooperativas e Pequenas e Médias Empresas e ex- corrector da Bolsa de Madrid, é o primeiro corredor estrangeiro a inscrever, pela quarta vez, o nome na lista dos vencedores da Volta. Este triunfo do espanhol significou para o Clube de Ciclismo de Tavira, a base desportiva da equipa Palmeiras-Prio, a terceira vitória no palmarés da prova. 

Na apoteose da grande festa nacional em que a Volta a Portugal se transformou, nestes últimos anos, David Blanco, repetiu o êxito de 2006, 2008 e 2009, ao defender com segurança a camisola amarela conquistada na chegada ao alto da Senhora da Graça, que conservou na passagem pela Torre, no alto da serra da Estrela, e no contra-relógio do penúltimo dia, em Leiria, sob a ameaça do vencedor do dia, o compatriota David Bernabéu, da equipa Barbot-Siper..  

Depois de ter passado em branco nos dois primeiros anos (2000 e 2001), no Paredes-Antarte, e no terceiro (2002) no ASC-Vila do Conde, Blanco passou a representar, em 2003, a Porta da Ravessa-Bom Petisco, tendo vencido uma etapa no GP CTT- Correios para voltar a não conseguir qualquer vitória nos anos de 2004 e 2005, com a equipa da Comunidad Valenciana, onde em 2006 venceu a geral e duas etapas da Volta a Portugal. 

O espanhol regressou depois à equipa de Tavira, em 2007, mas, só no ano seguinte ganhou a Volta a Portugal, êxito que repetiu em 2009 e também na edição que agora terminou. 

Mais Fotografias, Declarações Áudio e Informações em

http://volta-portugal.com/etapas/phps/noticias.php?etapa=10 

A 72ª Volta a Portugal tem o apoio das autarquias de Lisboa, Viseu, Leiria, Fafe, Castelo Branco, Mondim de Basto, Oliveira do Bairro, Santo Tirso, Aveiro, Viana do Castelo, Lamego, Sintra, Oliveira do Hospital, Oliveira de Azeméis, Gouveia, Idanha-a-Nova, Moimenta da Beira, Seia, Barcelos, Armamar e Águeda além do patrocínio dos Jogos do Centenário, Jogos Santa Casa, RTP, Aluvia, EDP, Tempo-Team, Liberty Seguros, Meo, O Jogo, Jornal de Noticias, Rádio Renascença, Águas São Martinho, Shimano, Xerox, Mobilif, Torrié, Copigés, DietSport – Powerbar, LG, Instituto Geográfico do Exercito, Ford, Cision, Estanhos D. António, Fullwear, Nexx Helmets, Orbita, KEEWAY, Pastelaria Chafariz, Sportzone, Tipografia Peres e Aquahotels Mondim Basto.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *