Cultura, Santo Tirso

Exposição de pintura no Museu Municipal Abade Pedrosa – Santo Tirso

De 6 de Agosto (próxima sexta-feira) a 26 de Setembro, estará patente ao público no Museu Municipal Abade Pedrosa, em Santo Tirso, a exposição de pintura “FINAL- MENTE”, da autoria dos alunos finalistas da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto.  

A mostra integrará os melhores trabalhos realizados durante o último ano de curso (2019/2010) por 12 promissores artistas na área da pintura. Fernando Pinto Coelho, reconhecido docente da cadeira de Projecto – Pintura de Belas Artes, resumiu desta forma cada uma das intervenções destes novos artistas:  

Ana Trabulo, com um registo autobiográfico de coleccionismo intimista e obsessivo.

 
Carlos Mensil, desafiando a ilusão das manchas, manipula-nos a ponto de não sabermos o que é o suporte e o que é o representado.

 
Ferreira de Almeida, num compromisso de sobrepor camada em cima de camada, procura a experiência viva da surpresa em contraste com a contemplação em quietude de um objecto final, depósito de múltiplas memórias de cor.

 
Isabel Ferrão, também sobrepõe camadas, mas deixa-nos privar e contemplar as histórias surgidas nos diversos derrames da tinta.

 
Luís Pereira, como alquimista que esquece o seu ofício, fixa-se no encanto plástico dos fluidos coloridos que tira do crisol e distribui pelos diversos suportes, esfregando, arrastando, pingando.

 
Luís Rocha, obcecado pela figura de um corpo e o prazer de figurar, a ponto de a cada toque de tinta na tela deixar a mancha ficar.

 
Luísa G. Costa, arriscando a música, com partituras de tinta dá-nos bandas vibrantes de cor.

 
Maria Loureiro, tendo o azul como fundo, quer oferecer-nos o desvario fugaz do devaneio figurado da viagem.  

Rita Pinto, com excessos de matéria que ultrapassam e desconstroem os corpos, oferece-nos, por antinomia, a angústia dos desertos, o vazio.

 
Tiago Doliveira, com o pé na tábua e o resto do mundo que se descola a todo o momento e se espalha num mar de impressões.

 
Vânia Coelho, mudando de escala cresce desconstruindo um mundo de rigor, transformando um detalhe numa paisagem.

 
Vera Nogueira, corroendo a matéria, construiu mundos, mapas, continentes, ilhas.

 
Para quê pintar?

Para quê  colocar tinta numa superfície?

Para a tapar, proteger, isolar?

Para lhe alterar a cor, mostrar outra realidade, contar ou sugerir um conto?

Talvez para nos interpelar com estas questões, num tempo onde tudo parece já  ter sido feito com a pintura, um grupo de alunos do último ano de Belas Artes arriscam usar esse caminho, como meio de expressão, e levar-nos pelos seus sonhos.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *