Cultura, Póvoa de Varzim

Festival Internacional de Música da Póvoa de Varzim – evento de sucesso há 32 anos

Chegou ao fim, no passado sábado, 31 de Julho, a 32ª edição do Festival Internacional de Música da Póvoa de Varzim (FIMPV) com um concerto da orquestra barroca Il Gardellino.
A brindar o público com eminentes solistas e distintos agrupamentos internacionais desde o dia 9 de Julho, o Festival volta a afirmar-se como um dos eventos mais prestigiados do país que nas últimas semanas atraiu largas centenas de pessoas à Póvoa de Varzim e contou com mais de quatro mil espectadores.
Com uma média de 270 entradas por espectáculo num total de catorze concertos, a programação abarcou um largo espectro histórico, da Idade Média ao século XXI, merecendo especial destaque o regresso de Jordi Savall, desta vez com os convidados Driss El Maloumi, Dimitris Psonis e Pedro Estevan (programa “Oriente-Ocidente”), a pianista Cristina Ortiz (comemoração do bicentenário do nascimento de Fryderyck Chopin), o Fine Arts Quartet (em quinteto com Cristina Ortiz), Amandine Beyer e Pierre Hantaï (violino e cravo), a Capilla Flamenca (música vocal e instrumental dos séculos XIV, XV e XVI), a orquestra barroca Il Gardellino, dirigida por Marcel Ponseele, e os agrupamentos – Stile Antico (música de Claudio Monteverdi), e Les Basses Réunies (com o violoncelista Bruno Cocset, num programa Bach) que actuaram pela primeira vez em Portugal.
No que se refere ao apoio a novos valores e à criação de música portuguesa, o programa do 32º FIMPV contou com a participação de alguns dos galardoados com o Prémio Jovens Músicos da RTP-Antena 2: o Duo XaSonaiP (2008), o Quarteto Blanc e o clarinetista João Moreira (2009) e de dois premiados pelo Concurso de Interpretação do Estoril – Lara Martins (2007), que se apresentou em duo com o pianista João Paulo Santos; e o fagotista Rui Lopes (2008). Monika Duarte Streitová, Nuno Pinto, Sérgio Pacheco, Ana Telles, Susanna Lidegran, Filipe Quaresma, Miguel e Paula Azguime – alguns dos mais importantes instrumentistas portugueses da actualidade –, que integram o agrupamento Sond’Ar-te Electric Ensemble dirigido pelo compositor Pedro Amaral, actuaram no dia 24 de Julho, num concerto inteiramente consagrado à música portuguesa do séc. XXI. Além disso, o Festival contou ainda com a actuação dos dois agrupamentos residentes: Orquestra Sinfónica da Póvoa de Varzim dirgida por Luís Carvalho, e Quarteto Verazin.
Todos os concertos dedicados à música antiga “historicamente informada” suscitaram lotação completa dos recintos – alguns mesmo para além da sua normal capacidade (10, 14, 15, 16, 21, 25 e 31 de Julho). Com ocupação superior à lotação habitual, destaque também para os concertos de 15 (Quarteto Verazin) e 23 de Julho (Orquestra Sinfónica da Póvoa de Varzim).
Em estreia absoluta, foram apresentadas duas obras dos jovens compositores Carlos Filipe Cruz e Gonçalo Gato e as obras seleccionadas pelo júri do 5º Concurso Internacional de Composição da Póvoa de Varzim presidido pelo compositor Pedro Amaral, de quem também foi estreada em Portugal a obra “Densités”. Quanto aos vencedores do Concurso, o júri atribuiu, na modalidade de música orquestral, o 1º Prémio ao jovem compositor Nuno Figueiredo, pela obra “Ocaso”, enquanto que o 2º Prémio coube a Duarte Dinis Silva, pela obra “Concerto para Orquestra”. Na modalidade música de câmara, o 1º Prémio foi atribuído ao compositor Igor Silva, pela obra “FlipBook” e o 2º Prémio coube a [ka’mi], pela obra “Sonderart des Kreisens”.
O 32º FIMPV contou ainda com a conferência inaugural proferida por Rui Vieira Nery sobre “As Músicas da República” e com diversas manifestações paralelas como: os encontros informais com os compositores Dinis Silva, Nuno Figueiredo, Igor Silva e [ka’mi] que apresentaram as suas obras em estreia absoluta no FIMPV; as master classes de Miguel Rocha (violoncelo), Cristina Ortiz (piano), Fine Arts Quartet (música de câmara), António Salgado (canto) e Marcel Ponseele (oboé); exposições diversas e publicação e exposição de trabalhos escolares sobre a temática do Festival, objecto do concurso “À Descoberta do Património Musical” dirigido às escolas do ensino genérico e vocacional da região.
 Em suma, o Festival propôs ao seu público música vocal e instrumental de 80 compositores, entre os quais 15 portugueses (sete obras inéditas). Foram convidados 120 intérpretes: 80 portugueses e os restantes provenientes de Espanha, Marrocos, Grécia, França, Reino-Unido, Brasil, Bélgica, Israel, Estados Unidos e Japão. Foram prestadas especiais homenagens aos compositores Robert Schumann, Fryderyck Chopin, Hugo Wolf e Jorge Cronner de Vasconcelos, cujas efemérides se comemoram em 2010. Os diversos momentos do Festival decorreram nas Igrejas Matriz, Lapa e S. Pedro de Rates, no Diana Bar, no Auditório Municipal e no Museu Municipal da Póvoa de Varzim.
A realização da 32ª edição contou com os patrocínios estruturantes da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim e do Ministério da Cultura / Direcção-Geral das Artes. Apoiam o evento importantes instituições, empresas e meios de comunicação social. A organização é de responsabilidade da Associação Pró-Música da Póvoa de Varzim.
Pode recordar os diferentes momentos do 32º FIMPV no portal municipal.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *