Economia, Matosinhos

Galp conclui investimento de 50 milhões na requalificação do Terminal Petroleiro de Leixões – Matosinhos

A Galp Energia terminou os trabalhos de requalificação do Terminal Petroleiro de Leixões (TPL), algumas semanas antes da data inicialmente prevista para a conclusão do projecto, cujo investimento total atinge os 50 milhões de euros, centrados nas vertentes da fiabilidade, da segurança e do ambiente. Iniciados em 2005, os trabalhos envolveram a substituição dos braços de carga dos três postos do terminal, que absorveram a maior fatia do investimento, bem como a de todas as tubagens, rede eléctrica e sistema de combate a incêndios. 

Em concreto, os trabalhos compreenderam:

  • Substituição e adequação do sistema de combate a incêndios: canhões de água/espuma dos postos, dotando-os de comando remoto; substituição das bombas de água, adequando-as em número e caudal às necessidades; substituição do reservatório hidropressor da rede de água do sistema de incêndios (SI); construção de uma nova rede para os postos e área de tanques com reservatórios dedicados de espuma; substituição da rede de água do SI cobrindo toda a área do terminal e com ligação à rede da refinaria; construção de uma rede de refrigeração e abafamento das tubagens na galeria de chegada das tubagens; instalação de um novo sistema informático (Controlador Lógico Programável) para gestão dos sistemas de segurança do terminal e de um sistema de controlo da pressão da rede; automatização do arranque sequencial das bombas de água do SI e instalação dos meios de primeira intervenção.
  • Adequação da rede eléctrica: substituição dos transformadores, instalando do tipo secos, adequados aos novos consumos e à reformulação da rede; reorganização dos postos de transformação e salas de quadros; instalação de um gerador de emergência; substituição de um dos cabos de 15kV, dos cabos de alimentação de bombas e dos postos de atracação; melhoria do encaminhamento e reformulação da rede de iluminação e da rede de terras e pára-raios; e reforço da traçagem eléctrica das tubagens de produtos, permitindo desactivar as caldeiras de produção de vapor.
  • Inspecção e substituição de tubagens: as tubagens de transporte de produtos foram objecto de um programa de inspecção e estão a ser objecto de substituição quase integral, com a preocupação de adequar à realidade actual, removendo equipamentos obsoletos, permitindo o rearranjo nas esteiras de tubagens, com a eliminação de fugas e o impacto negativo sobre o meio ambiente.

Os novos braços de carga estão dotados dos mais modernos sistemas de movimentação e acoplamento, de alarmes de posição e deslocamento e de sistema de desligamento rápido. As principais vantagens são as seguintes:

  • Criação de um sistema de corte geral de emergência (emergency shut down – ESD),
  • Instalação do sistema de desligamento rápido (emergency release system – ERS) dos novos braços do sistema para impedir a rotura dos braços pela movimentação dos navios,
  • Minimização da quantidade de produto a drenar e a circular por tanques atmosféricos, criando um sistema de reinjecção para recuperação de produtos.
  • Redução do número de braços a instalar melhorando o tipo de válvulas a usar na segregação de circuitos e produtos,
  • Recuperação da plataforma dos postos, criando novas inclinações para encaminhamento segregado de águas pluviais e águas potencialmente contaminadas ou oleosas através de separadores,
  • Instalação de um sistema de controlo distribuído, centralizando e disponibilizando a informação relevante e espoletando informação de aviso e alarme para o operador.
  • Instalação de separador de oleosos nos postos e de uma fossa séptica na área da messe.

Para além de tudo isto, irá proceder-se agora à substituição de um dos tanques de armazenagem do terminal, um processo que deverá ficar concluído durante o próximo ano. Ficarão assim concluídos os trabalhos de requalificação do TPL iniciados em 2005, quando teve início a substituição das tubagens do porto.

O Terminal Petroleiro de Leixões:

 O Terminal Petroleiro de Leixões foi construído em 1966 numa parceria entre a Administração do Porto de Leixões (APDL) e a Sacor, tendo a primeira ficado responsável pelo alteamento do quebra-mar e pelas obras marítimas de acostagem de navios, enquanto à Sacor coube a construção das instalações de movimentação do produto. Em 1990 foi assinado o primeiro contrato de concessão, tendo a concessão sido renovada em 2006, por um período de 25 anos, prevendo-se revisões periódicas.

Olhando para as quantidades de produto movimentadas através do TPL, verifica-se que estas têm sido relativamente estáveis ao longo da última década. Notam-se bem nos gráficos os ciclos de manutenção e a crise no mercado, com efeitos mais notórios ao nível da movimentação de produtos petrolíferos a partir de 2009. Em termos médios, cabe à Refinaria de Matosinhos da Petrogal a movimentação de cerca de 6,5 milhões de toneladas por ano, correspondendo aos restantes clientes do terminal aproximadamente 1,4 milhões de toneladas, conforme se pode verificar no gráfico abaixo.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *