Sociedade, Trofa

“Amílcar, Consertador de Búzios Calados” de Mário Alves foi o grande vencedor do Concurso Lusófono da Trofa

O vencedor do Concurso Lusófono da Trofa – Conto Infantil – Prémio Matilde Rosa Araújo, organizado pela Câmara Municipal da Trofa e pelo Instituto Camões, foi divulgado no passado Sábado, dia 26 de Junho, na Casa da Cultura da Trofa.
 
Desta forma o Prémio Matilde Rosa Araújo, no valor de 5.000 euros, foi entregue a Mário João Silva Alves, com o conto “Amílcar, Consertador de Búzios Calados”.
Assis Serra Neves, Vereador da Cultura da Câmara da Trofa considerou “apesar das dificuldades financeiras considero que o concurso Lusófono é um marco na Cultura e não é nossa vontade acabar com este prémio”.
 
Sobre este conto, o júri final considerou que: “Estilisticamente apresenta muitas qualidades. A definição de acaso com que arranca a história deixa perceber como o autor não se destituiu de inteligência para falar aos miúdos. As imagens que o conto cria são muito belas, veja-se a ideia de que os peitos se acendem e como é possível consertar um búzio que já não permite ouvir-se o mar.”
 
Cada país que não venceu o primeiro prémio, recebeu o Prémio Lusofonia, no valor de 1.000 euros.
 
Assim, o Prémio Lusofonia do Brasil foi entregue a Maria Alexandra Militão Rodrigues, com o conto “A Menina Palavrinha”, enquanto que a vencedora de Cabo Verde foi Margarida Barnabé Lima Brito Martins, com o conto “O País Dadival”.
 
O Prémio Lusofonia de Guiné-bissau foi recebido por Amadú Dafé, com o conto “A Candonga das Confusões” e Pedro João Pereira Lopes recebeu o Prémio Lusofonia de Moçambique com o conto “O Homem dos Sete Cabelos”.
 
Os nomes dos vencedores estarão disponíveis nos portais da Câmara Municipal da Trofa (www.mun-trofa.pt) e Instituto Camões (www.instituto-camoes.pt).
 
A Câmara Municipal da Trofa e o Instituto Camões descrevem o Concurso Lusófono como uma iniciativa de extrema importância para a cultura local, que visa valorizar não só o património cultural do concelho, mas também, e fundamentalmente a Língua Portuguesa.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *