Cultura, Santo Tirso

Câmara municipal e pru promovem música e danças no Parque Urbano da Rabada – Santo Tirso

É já nos dias 18, 19 e 20 de Junho que o Parque Urbano da Rabada vai ser invadido pela Dança, num festival único: MovAve. Durante três dias, vários ritmos vão deliciar todos os que forem assistir a este festival de movimento e expressão corporal com duas valências: uma de oficinas de dança (dança jazz, oriental, latina, hip hop, capoeira) e oficinas de precursão – e outra valência de espectáculos, de dança e de precursão. O objectivo é fomentar as práticas da dança, da expressão corporal e da música, estimular futuras aprendizagens na área da dança e da música por parte dos participantes.

 

Uma acção gratuita para todos os participantes e integrada na PRU Parceria para a Regeneração Urbana – Revitalização e qualificação das Margens do Ave na cidade de Santo Tirso (PRU-Margens do Ave). Esta parceria vai revolucionar o conceito de viver o Rio Ave e revitalizar toda uma região que após a crise que atravessou o sector têxtil foi abandonada durante anos.

A Câmara Municipal desenvolveu um projecto inovador – uma parceria entre diversas instituições – que uniu várias entidades em torno de um objectivo comum: a Regeneração Urbana da Margens do Ave. O Rio Ave foi durante muitos anos associado à ideia de poluição, mas hoje, a realidade é bem diferente: o rio está mais despoluído e foram encontradas novas soluções para a região do Ave.

O Vale do Ave em geral e Santo Tirso em particular têm muito para oferecer. A Câmara Municipal é a âncora da Parceria para a Regeneração Urbana e esta parceria – que reúne a Direcção Regional da Educação do Norte – Escola Profissional Agrícola Conde S. Cento, Café do Rio, Fundação Santo Thyrso e a Associação Recreativa da Torre – vai mudar o rosto de toda a zona ribeirinha, do coração do concelho. O rio está de volta à cidade.

A união das entidades num Parceria tornou possível uma intervenção de 10 milhões de euros, em 251 ha ao longo de 3,5 km de frente ribeirinha, abrangendo oito freguesias: Santo Tirso, Santa Cristina do Couto, São Miguel do Couto, Burgães, Sequeirô, Lama, Areias e Palmeira.

 A intervenção a que a frente ribeirinha vai ser sujeita, durante estes três anos de execução do projecto, será transversal no tipo de obras a realizar, no tipo de destinatários das mesmas e terá como factor inovador o facto de à intervenção física ser acrescentada a vertente imaterial e muitas vezes esquecida mas fundamental para que o investimento realizado seja vivido pela população: a ANIMAÇÃO, O VIVER DO RIO. Está já definido um programa cultural e recreativo e de grande qualidade, com uma forte vertente lúdico-desportiva.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *