Cultura, Évora

Exposição “Love Story”: escultura figurativa e realista – Évora

A Câmara Municipal de Évora inaugura no Palácio de D. Manuel no próximo dia 4 de Junho, sexta-feira, pelas 18 horas, parte da colecção do Museu de Escultura Figurativa e Realista Internacional Contemporânea (MEFIC), que iniciou na década dos anos 80 do século XX aquela que é hoje considerada a mais importante colecção de obras de escultura figurativa e realista da actualidade, na Europa e nos Estados Unidos, da qual em Évora se apresenta agora uma pequena parte, sob o título “Love Story”, que estará patente até 31 de Agosto.
 
A colecção MEFIC é propriedade dos empresários e coleccionistas espanhóis Antonio Lopez e Eva Hernandez Calderón, e é composta por mais de quinhentas esculturas, realizadas por mais de um cento dos artistas mais destacados nas diferentes tendências da figuração escultórica internacional, procedentes de todo o mundo, mas contando, evidentemente, com uma importante representação de Espanha e Portugal.
 
Antonio Lopez e Eva Hernandez Calderón chamam vício ou vírus à paixão que ganharam pela colecção de obras de arte. Antonio Lopez refere que esse estágio se atinge quando “as nossas conversas, o nosso tempo, a nossa vida começa a girar em torno da arte e o vício acaba por se estender pelo nosso corpo e a nossa mente”.
 
Nesta colecção estão representados artistas contemporâneos consagrados, que já fazem parte da história da arte, como é o caso de John de Andrea, o pai do hiperrealismo norte-americano, que tem no MEFIC a maior presença mundial num museu; John Davies, que segundo a crítica especializada mudou o rumo da escultura britânica; Lorenzo Mena, com as esculturas que fizeram com que Fidel Castro o expulsasse de Cuba; os irmãos Jake & Dinos Chapman e as demenciais anatomias trágicas dos “enfants terribles” da neofiguração inglesa; os italianos Maurício Cattelan, Carlo Di Meo e Simone Racheli e as selvagens ironias da última vanguarda figurativa italiana; Werner Reiterer, através d’ “o homem com a língua cravada na parede”; e o mítico escultor hiperrealista norte-americano Marc Sijan.
 
Trata-se de uma exposição inédita neste género artístico em Évora, que vai impressionar, provocar e nalguns momentos, inclusivamente, chocar o público, que não vai ficar indiferente ao assistir a uma das exposições de que mais se vai falar em Portugal nos próximos meses.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *