Cultura, Santo Tirso

Hopkinson Smith no último concerto do Festival Internacional de Guitarra

Aniello Desiderio´s Quartetto Furioso (Itália), Jorge Caballero (Peru), Alexey Arkhipovsky (Rússia), Júlio Guerreiro (Portugal) e Denis Azabagic (Bósnia) já mostraram o seu talento. Agora é a vez de Hopkinson Smith (EUA) subir ao palco naquele que será o último momento do programa da edição 2010 do Festival Internacional de Guitarra de Santo Tirso (FIGST).  

Depois de cinco concertos memoráveis e um Master-Class, a responsabilidade de encerrar a edição de 2010 do FIGST cabe agora ao americano Hopkinson Smith, considerado um dos melhores alaúdistas do mundo. O espectáculo decorre na próxima sexta-feira, dia 28 de Maio, às 21h30, no Centro Cultural de Vila das Aves.  

Depois de ter estudado Musicologia em Harvard, Hopkinson Smith veio para a Europa em 1973 para estudar com o grande pedagogo Emilio Pujol, e também com Eugen Dombois, cujo senso de unidade orgânica entre o performer, o instrumento e o período histórico, teve um efeito duradouro sobre ele.

        
Em meados dos anos 70, Hopkinson Smith envolveu-se na fundação do conjunto Hesperion XX e os seus dez anos de colaboração com Jordi Savall conduziram-no para importantes experiências na música de câmara, que eram um complemento para o seu trabalho como solista. 

 
Desde meados dos anos 80, Hopkinson Smith centrou-se principalmente na música a solo para o início de instrumentos de cordas dedilhadas. Estas incluem a viola, alaúde renascentista, teorba, guitarra barroca e renascentista e o alaúde barroco.

 
Com os seus recitais e uma série de mais de 20 gravações a solo, Hopkinson continua a redescobrir e a trazer para a vida trabalhos que estão entre os mais expressivos e intimistas em todo o domínio da música antiga. 

 
Reconhecido internacionalmente como uma personalidade de liderança no campo da música antiga e um dos melhores alaúdistas do mundo, Hopkinson Smith dá concertos e classes de mestre em toda a Europa Ocidental e Oriental e no Norte e Sul da América. Actualmente reside em Basel, na Suíça, onde leciona na Schola Cantorum Basiliensis.  
 

FIGST

O XVII Festival de Guitarra de Santo Tirso arrancou no dia 7 de Maio com o italiano Aniello Desiderio, que planeou o seu primeiro concerto com apenas oito anos, e termina no próximo dia 28 de Maio. Ao longo de quase um mês, passaram por Santo Tirso alguns dos artistas mais conceituados a nível nacional e internacional. 

Organizado pela Câmara Municipal de Santo Tirso há 17 anos, o Festival Internacional de Guitarra de Santo Tirso é um ícone cultural que reúne alguns dos melhores artistas nacionais e internacionais. Itália, Perú, Rússia, Portugal, Bósnia e EUA são os países de origem dos artistas que integraram o programa do XVII Festival Internacional de Guitarra. Paralelamente aos seis concertos, do programa fez parte também um curso de guitarra clássica, sempre com a participação de alguns dos maiores talentos da guitarra internacional. 

O Festival Internacional de Guitarra de Santo Tirso (FIGST) é um ícone da cultura nacional e, este ano, voltou a proporcionar alguns momentos musicais de grande qualidade. Aniello Desiderio´s Quartetto Furioso (Itália), Jorge Caballero (Peru), Alexey Arkhipovsky (Rússia), Júlio Guerreiro (Portugal), Denis Azabagic (Bósnia) e Hopkinson Smith (EUA) são os nomes dos artistas que conduziram os espectáculos que preencheram este programa. Nesta edição de 2010 – dedicada às “transcrições para guitarra”, ou seja, obras originalmente feitas para outros instrumentos musicais mas que foram transcritas para guitarra, transformando-se em obras reconhecidas mundialmente – os destaques vão naturalmente para dois dos expoentes mundiais Hopkinson Smith (alaúde e vihuela) e Alexey Arkhipovsky (balalaika). 

O Festival Internacional de Guitarra teve início em Santo Tirso, no ano de 1994 e, desde então, tem sido promovido anualmente pela Câmara Municipal de Santo Tirso, com o apoio artístico da ARTAVE. São 17 anos dedicados a um encontro de cultura e arte que reúne alguns dos melhores artistas internacionais.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *