Sociedade, Tomar

Obra da Rotunda Alves Redol já começou – Tomar

   A empreitada da Praceta Alves Redol foi consignada na quarta-feira passada à empresa EcoEdifica. Tem o orçamento de 515.530,31 euros, sendo comparticipada em 57,14 por cento pelo QREN – Quadro de Referência Estratégico Nacional. A candidatura integra-se no PIVUT – Plano Integrado para a Valorização Urbana de Tomar, aprovado no âmbito das Parcerias para a Regeneração Urbana.
         A obra teve início durante esta semana, concretamente com a instalação do estaleiro e delimitação da intervenção no terreno. Nesta fase inicial, o trânsito automóvel não será afectado, mas no decurso da obra a rotina da cidade será alterada. Nos acessos ao centro de Tomar devem privilegiar-se a Ponte do Flecheiro e, para quem vem de Leiria, a estrada de ligação ao Convento de Cristo. Oportunamente será comunicado o plano de alteração de trânsito.
 
O que vai acontecer no subsolo
 
      Esta intervenção vai decorrer a dois níveis: infraestruturas e arranjo de superfície. No que diz respeito às infraestruturas, dois colectores (um de 1,60 cm para as águas pluviais e outro de 40 cm para os esgotos domésticos) serão construídos no subsolo, ligando os esgotos domésticos e as águas pluviais, separados, vindas do centro histórico, aos colectores construídos na margem direita do rio.
      Este é o principal propósito da obra que vem finalizar duas intervenções anteriores. A primeira foi realizada no centro histórico com o objectivo de separar as águas pluviais dos esgotos domésticos, impedindo que estes últimos desagúem no Rio Nabão e tendo ao mesmo tempo o objectivo de escoar as águas pluviais para jusante da cidade, minimizando o impacto das cheias naquela zona da cidade. A outra decorreu na margem direita do rio, no âmbito do Programa POLIS, respondendo às propostas do Plano Hidrológico e Hidráulico do Rio Nabão. Um muro foi construído nessa margem, elevando-a. Aí surgiram igualmente dois colectores, um para as águas pluviais, com a intenção de as escoar para jusante da cidade, outro para os esgotos domésticos, que serão encaminhados para a ETAR da zona industrial de Santa Cita. 
 
 
 
O que vai acontecer à superfície
 
      Esta intervenção prevê ainda o arranjo de superfície que vem aumentar substancialmente a zona verde da praceta, também através do reforço da plantação de árvores. Ao mesmo tempo é garantida maior segurança para os peões, uma vez que afasta os acessos pedonais da faixa de rodagem.
 
      A placa central da rotunda será sensivelmente diminuída, assim como a largura da faixa de rodagem, que manterá o pavimento betuminoso. O tema central desta requalificação é a Festa dos Tabuleiros, concretizada na aplicação de malmequeres, papoilas e trigo, que se renovam ao longo das quatro estações do ano. A fonte será requalificada, mantendo-se o tanque central actual.
 
      De referir ainda o prolongamento do deck que neste momento existe ao longo da margem direita. Vai surgir entre a Ponte Nova e a Moagem mantendo a mesma lógica e o propósito de minimizar o impacto das cheias. A margem será elevada dois metros, também no seguimento da proposta constante no Plano Hidrológico e Hidráulico do Rio Nabão.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *