Sociedade

«Melhorar as acessibilidades torna os concelhos com mais qualidade de vida» – Hermínio Loureiro

O presidente da Associação de Municípios de Terras de Santa Maria (AMTSM), Hermínio Loureiro, defendeu que melhorar as acessibilidades torna os concelhos «competitivos, atractivos e com mais qualidade de vida».Em declarações à EDV Informação, no final da apresentação do Projecto Integrado para a Promoção da Acessibilidade no Entre Douro e Vouga, Hermínio Loureiro disse que «por muito que se faça nesta matéria há sempre muito fazer», salientando, contudo, o «trabalho notável» desenvolvido no agrupamento de municípios.

«O Entre Douro e Vouga é uma região de referência, com enormes potencialidades e se quer aumentar a sua competitividade global tem também de dar uma atenção muito especial a esta temática», frisou.

O Projecto Integrado para a Promoção da Acessibilidade no Entre Douro e Vouga, hoje apresentado em Santa Maria da Feira, é uma iniciativa da AMTSM que resulta de uma candidatura aprovada pelo Programa Operacional do Potencial Humano (POPH).

«Quando estes cinco municípios começam a trabalhar em conjunto em prol de uma causa, que é tornar os territórios acessíveis, nós sabemos que eles estão mais à frente que outros nesta matéria», disse Paula Teles, que coordena o estudo de promoção das acessibilidades enquadrado no projecto, documento a concluir até final do ano.

O processo iniciou em 2009 com a inventariação dos principais edifícios (câmaras municipais, juntas de freguesia, tribunais, finanças, Segurança Social, centros de Saúde, escolas, museus, entre outros) a serem objecto de diagnóstico e análise.

Foram identificados nos concelhos de Arouca, Oliveira de Azeméis, S. João da Madeira, Santa Maria da Feira e Vale de Cambra 806 equipamentos públicos e de instituições sem fins lucrativos. Registaram-se ainda os centros urbanos.

O projecto – um investimento na ordem dos 500 mil euros, 30 por cento desta verba comparticipada pelos municípios – desenvolve-se em quatro fases: elaboração de diagnóstico regional; acções de formação e sensibilização; elaboração de manual de boas práticas no domínio da acessibilidade; elaboração de cinco planos municipais de promoção da acessibilidade.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *