Santo Tirso, Sociedade

Aberto Concurso Público Internacional para a Construção do Percurso Pedonal das Margens do Ave – Santo Tirso

A Câmara Municipal de Santo Tirso acaba de abrir concurso público (internacional) para a Construção do Percurso Pedonal das Margens do Ave no âmbito da candidatura aprovada pela ON2, “PRU – Parceria para a Regeneração Urbana” pela qual a Autarquia se propõe tornar as frentes ribeirinhas do rio Ave um espaço de sociabilidade e fruição para todos os habitantes, turistas e visitantes de Santo Tirso, através da introdução de significativas melhorias ao nível dos espaços naturais e das infra-estruturas culturais e sociais existentes neste local e um centro de actividades económicas urbanas inovadoras e competitivas, evidenciando, simultaneamente, o valor simbólico, histórico e cultural deste local na construção da identidade da cidade e de toda a região do Vale do Ave e do Grande Porto. 

O presente concurso público – no valor de 5, 3 milhões de euros – pretende criar o “Percurso Pedonal das Margens do Ave”, assumindo como objectivo principal a renaturalização e a requalificação de uma parte significativa da frente de Rio nas duas margens. Destina-se a uma área de intervenção inscrita no âmbito do Plano de Urbanização das Margens do Ave (PUMA) e, também de acordo com um dos principais objectivos que eram já estabelecidos por este documento e que são agora reafirmados na estratégia de parceria de regeneração urbana liderada pela Câmara Municipal de Santo Tirso e com seguintes parceiros: Fundação de Santo Thyrso; DREN – Escola Profissional Agrícola Conde S. Bento; Associação Recreativa da Torre (ADRNST) e Café do Rio, pretende-se contribuir para a reaproximar a cidade de Santo Tirso do seu rio. 

O projecto procura criar uma sequência lógica de percurso pedonal, ao longo do qual se procura valorizar o património histórico (Mosteiro de S. Bento, Passeio dos Frades, Ponte sobre o Rio Ave, entre outros) e natural (Rio Ave, açude, terrenos da Escola Profissional Agrícola Conde S. Bento e galeria ripícola) existente, bem como criar o suporte físico para uma cidade que tem agora um espaço verde de grandes dimensões à sua disposição: o Parque Urbano da Rabada.

Constituem este projecto um conjunto de componentes diferenciadas, mas profundamente articulados entre si, que em seguida descrevemos: 

  • Renaturalização e arranjos paisagísticos da área envolvente;

 

  • Intervenção num troço de arruamento da Rua do Rio Ave, ligando a zona de intervenção com a ponte sobre o Rio Ave (incluindo um parque de estacionamento e árvores de enquadramento);

 

  • Criação de uma Plataforma Pedonal elevada com deck entre o estacionamento e a curva do Rio Ave a montante do açude;

 

  • Criação de Passeios e Ponte Pedonal ligando a Plataforma (praça) ao Parque Urbano da Rabada.

 

Deste modo, pretende-se simultaneamente intervir na frente ribeirinha do Ave e estabelecer uma ligação pedonal/ciclável entre a frente ribeirinha que se encontra mais próxima do centro da cidade de Santo Tirso e o Parque Urbano da Rabada. Este percurso pedonal e ciclável vai ainda permitir a ligação, na cidade, a uma rede de percursos pedonais e cicláveis que vão criar uma alternativa estruturada e com escala suficiente face ao modelo de mobilidade motorizada adoptado pela grande maioria da população.  

Por outro lado, este percurso, enquanto componente integrante de uma rede mais alargada dentro da cidade permite aumentar a acessibilidade da população entre as duas margens do rio, contribuindo para aproximar as populações e garantindo um efeito de coesão.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

3 comentários

  1. Será que alguma vez vou ver essa obra pronta? Já agora o antigo Cine-.Teatro, quando verei essa obra terminada?
    Serei o 1º a dar os parabéns, mas só quando essas obras estiverem terminadas.

  2. é por estas e por outras que as rua e passeis de Vila das Aves, estão no estado que estão, pois gast-se o que Há e não há em macaquises e o que realmente faz falta ás populações para ter uma qualidade de vida como a sede do concelho nada. ACONSELHO A QUE OS AUTARCAS FAÇAM PRIMEIRO O QUE DEVEM FAZER E DEPOIS AQUILO QUE CHAMA ATENÇÃO E QUE QUEREM MOSTRAR, DEPOIS DE DAREM À POPULAÇÃO DO CONCELHO O QUE REALMENTE LHE FAZ FALTA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *