Arouca, Desporto, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa de Varzim, S. João da Madeira, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia

Gilda Harris toma o pulso às juniores

Gilda Harris imprime já o seu cunho pessoal na Selecção Nacional de Juniores Femininos que se encontra a estagiar no Instituto Politécnico do Porto (IPP) e na Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (FADEUP), preparando a participação, em Abril, na Fase de Qualificação para o Campeonato da Europa da categoria.  

Recém-chegada, a treinadora cubana explana as primeiras impressões sobre o nosso país:

“É a primeira vez que estou em Portugal. Parece-me um país estupendo, sobretudo esta cidade [Porto]. As pessoas são muito acolhedoras e empreendedoras.

Acredito que me vou dar bem aqui e espero conseguir ajudar o Voleibol feminino a atingir um nível muito alto.

O Juan [Diaz] e o José António [Rojas) falaram-me muito de Portugal, do clima, da comida, etc.. De qualquer modo, embora de forma gradual, os cubanos adaptam-se às condições naturais e culturais de qualquer país”. 

Já treinou seniores, juniores e cadetes. Qual a preferência?

“Gosto de treinar selecções de jovens porque estas são mais flexíveis e mostram muito mais interesse em trabalhar e aprender coisas novas.

Noto grande entusiasmo, força de vontade e empenho nas juniores portuguesas, o que é muito importante. A vontade que as atletas demonstram e a nossa entrega como treinadores é uma das condições que nos possibilita ir muito longe no nosso trabalho”. 

Embora ciente de algumas dificuldades, Gilda Harris mostra-se determinada e confiante no desafio que agora inicia:

“Em Cuba treinava todos os dias, de manhã e de tarde. Aqui é mais difícil conseguir juntar todas as atletas. Algumas apresentam alguns problemas técnicos, mas isso é um aspecto que pode ser corrigido durante os treinos.

Penso que se pode realizar um bom trabalho com estas atletas porque são muito jovens, têm altura e são bem constituídas, mas há que criar condições de trabalho, é necessário criar um mecanismo de trabalho sistemático que dê frutos mais rapidamente de modo a começar a integrá-las no voleibol de nível mundial”. 

E qual a opinião do Coordenador das Selecções Nacionais?

“Gilda é uma pessoa para quem o Voleibol é uma paixão. É trabalhadora e tem experiência.

Trabalha há muitos anos com as selecções jovens em Cuba, tem a experiência de competir em Espanha e creio que se forem criadas as condições necessárias poderá realizar um bom trabalho e criar uma boa base para, no futuro, podermos vir a ter uma boa equipa, já que temos atletas jovens para que isso seja uma realidade”, salienta Juan Diaz.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *