Oliveira de Azeméis, Sociedade

Concelho possui 140 locais com potencial arqueológico – Oliveira de Azeméis

O município de Oliveira de Azeméis tem actualmente identificados cerca de 140 locais com potencial arqueológico, revelou hoje a vereadora da cultura, Gracinda Leal.  
De um número inicial de 21 locais reconhecidos, o município passou, com o arranque do projecto da Carta Arqueológica em 2008, para quase uma centena e meia de sítios com interesse. 
«Os trabalhos de preparação do projecto da carta arqueológica já nos permitiu multiplicar por sete o número de locais com potencial arqueológico», afirmou Gracinda Leal na abertura do workshop «Prospecção Geofísica e Arqueologia – A fábrica de vidro do Covo» que reúne, durante dois dias, meia centena de profissionais e alunos ligados à arqueologia.  
Em cima da mesa está a análise das técnicas de prospecção do subsolo aplicáveis à arqueologia e a importância da indústria vidreira, incluindo o caso específico da investigação efectuada na Quinta do Covo. 
Os resultados da prospecção nesta antiga unidade vidreira são apresentados este sábado e visaram identificar estruturas associáveis ao fabrico do vidro naquele local, numa parceria que envolveu o Departamento de Geociências da Universidade de Aveiro e a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.  
O concelho de Oliveira de Azeméis está ligado à história vidreira nacional pela razão dali terem nascido as primeiras fábricas de vidro do país. O Centro Vidreiro do Norte de Portugal foi a última unidade a laborar desde que, em meados do século XV, começou a laborar, em Oliveira de Azeméis, a primeira indústria de vidro do país – a Fábrica do Covo. 
«A necessidade de avaliar o potencial arqueológico de um espaço que foi ocupado pela conhecida fábrica de vidro que mais tempo esteve em laboração no território nacional mostrou-se prioritária no quadro da manutenção da memória vidreira no nosso concelho», afirmou a vereadora.

«A integração, em 2008, de um técnico do sector do Museu e Arqueologia marcou o arranque da actividade nesta área e foi decisiva para iniciarmos um percurso de criação de condições necessárias ao desenvolvimento de projectos de investigação arqueológica», disse Gracinda Leal. 
«A actividade do sector em 2008 permitiu a celebração de protocolos de colaboração com entidades capazes de nos garantirem o acesso a conhecimentos e a técnicas que, de outra forma, não estariam acessíveis ao município», explicou. 
O workshop – uma parceria entre a autarquia de Oliveira de Azeméis, a Associação Profissional de Arqueólogos e as universidades de Aveiro e Porto – termina amanhã com a abordagem ao tema «Dos produtos tradicionais às novas aplicações, o futuro do vidro».  

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *