Arouca, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa de Varzim, S. João da Madeira, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, Sociedade, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia

Estimativa da taxa de desemprego para Portugal chega a 9,3% no terceiro trimestre de 2009

O Observatório de Políticas Públicas, da Plataforma Construir Ideias apresenta o primeiro Caderno sobre as estimativas da taxa de desemprego em Portugal para o terceiro trimestre de 2009, com base em dados oficiais, análises técnicas credíveis e imparciais da realidade observável. «O Caderno de Emprego do Observatório de Políticas Públicas espera, desta forma, contribuir para o desenvolvimento de uma política eficaz e sustentável de promoção do emprego», salienta Carlos Pereira da Silva, Professor do ISEG e Coordenador do Caderno Emprego do Observatório de Políticas Públicas. 

A estimativa do Observatório para a taxa de desemprego em Portugal relativa ao terceiro trimestre de 2009 demonstra que esta deverá situar-se nos 9,3%, ou seja, cerca de 1,5% acima comparativamente com o período homólogo de 2008. 

A taxa de desemprego, corrigida de sazonalidade, atingiu no segundo trimestre de 2009, os 9,3%, mais 0,5 pontos percentuais do que o registado no final do trimestre anterior e cerca de 1,8 pontos percentuais face ao período homólogo de 2008. 

O número de desempregados situa-se acima dos 519 mil, mais 124 mil do que o observado em Setembro de 2008. Ao analisar a taxa de desemprego em função do género, o Observatório concluiu que em Maio de 2009, mais de 10% da população activa feminina se encontrava no desemprego, o valor mais alto verificado nos últimos 22 anos, e em Agosto nos 9,6%. Na população masculina a taxa de desemprego apontava para os 8,6%, um acréscimo de mais de 2,3%, ou seja, quase 40% quando comparado com dados de Dezembro de 2004. 

De referir ainda, que um em cada cinco jovens com menos de 25 anos se encontra no desemprego, e também aqui, a população feminina é a mais afectada, com a taxa de desemprego a situar-se em Agosto de 2009, nos 19%. 

Em Portugal há  mais de 235 mil desempregados de longa duração, mais 14,5% face ao segundo trimestre de 2008. Só na faixa etária acima dos 40 anos registam-se mais de 50% de desempregados. O desemprego de longa duração em Portugal tem cada vez mais um carácter sistémico e estrutural, resultado de políticas públicas pouco eficazes. A competitividade laboral e económica aumenta de acordo com as qualificações dos trabalhadores e, Portugal é um dos países europeus, onde as baixas habilitações continuam a ser um grave problema.  

Aliás, quanto mais baixa é a qualificação dos trabalhadores, menor é o investimento na aprendizagem ao longo da vida, a qual, em Portugal é cerca de 50% da média europeia e pouco superior a 1/3 da taxa dos países desenvolvidos. Um problema que tende a tornar-se mais persistente nas PME. 

O Observatório de Políticas Públicas, à semelhança do que o Eurostat faz para outros países da União Europeia, conjuga os dados publicados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), corrigidos de sazonalidade.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

1 comentário

  1. o governo tem muitas culpas no cartório temos o exemplo dos 130 despedimentos do casino estoril em que a inspecção do trabalho detectou irregularidades e o governo nada faz será por atilio forte estar no casino estoril e ser do ps. trafico de influencias

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *