Maia, Sociedade

Maia – Melhor resultado nacional

Amanhã, sábado, 31 de Outubro (no Fórum da Maia – 10h.) será a tomada de posse da nova Câmara Municipal da Maia e respectiva Assembleia Municipal.
Nas últimas eleições autárquicas, o Partido Social-democrata da Maia liderado por António Bragança Fernandes, obteve o seu melhor resultado de sempre no concelho da Maia, sem coligação, aumentando de seis para oito o número de Vereadores. Além do crescimento em número de vereadores, obteve igualmente mais Deputados Municipais e Juntas de Freguesia. Tendo sido a única lista candidata aos diferentes órgãos autárquicos que conseguiu subir o número de eleitos e de votos.

Numa análise aos resultados eleitorais a nível nacional, verifica-se que o resultado do PSD na Maia, em comparação com todas as restantes autarquias com mais de 100.000 eleitores, teve as seguintes particularidades:

1. A nível partidário o PSD –Maia obteve 57,76% de votos e oito mandatos ocupando o 1º lugar entre todos os partidos a nível nacional ou seja, sem coligação foi o melhor resultado.
2. Em termos absolutos, o melhor resultado nacional foi o da coligação PSD-CDS em Gaia com 61,98% e oito mandatos e a Maia ocupa o segundo lugar mas com o mesmo número de mandatos (oito).
3. Com mais de oito mandatos apenas temos o PS em Lisboa (com nove) mas num total de 17 possíveis – na Maia foram 8 em 11 possíveis.

A estes resultados, podemos somar o facto de em 17 freguesias o PSD, pela primeira vez, ter conseguido vencer em 15 delas e, pela primeira vez em mais de 20 anos, vencendo na maior freguesia do concelho, Águas Santas. Apenas não venceu em Gondim e Gueifães, onde o PS já era detentor das respectivas Juntas, tendo recuperado Milheirós e Águas Santas.
Além disso, na Assembleia Municipal da Maia, o PSD obteve o melhor resultado de sempre em termos absolutos (percentagem de votos e mais deputados eleitos). O PS perdeu um, a CDU e o CDS descerem de dois para um deputado e o BE manteve.
Por último, com excepção do PSD, todos os partidos baixaram a sua votação quando comparado com 2005.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *