Arouca, Sociedade

Feira das Colheitas mostra «dinâmica de um concelho» – José Artur Neves – Arouca

A Feira das Colheitas, hoje inaugurada, mostra a dinâmica de um concelho que apesar de manter a sua matriz rural já não é dependente de uma agricultura de subsistência, defendeu o presidente da autarquia, José Artur Neves.

«Ao longo dos tempos houve uma evolução natural e esta feira é disso um bom exemplo», disse o autarca. «Hoje Arouca mantém uma matriz rural – como nós queremos continuar a preservar -, mas tem evoluído para outras actividades», salientou.

O presidente da autarquia sublinhou que a edição deste ano das «Colheitas» ao integrar no programa a Exposição das Actividades Económicas de Arouca revela o «potencial de um concelho dinâmico com capacidade empreendedora e preparado para o futuro».

A mostra – promovida pela Associação Empresarial do Concelho de Arouca no pavilhão gimnodesportivo da escola secundária local – congrega 30 expositores de diferentes sectores, que vão desde a construção civil à metalomecânica, passando pela restauração.

«Já não somos dependentes de uma agricultura de subsistência, Arouca é actualmente um município que vive com a sua produção activa dependente em 55 por cento da indústria», referiu José Artur Neves, acrescentando que também ao nível do turismo «foram dados passos importantes nos últimos anos».

O presidente do município falava no final da visita aos expositores da 65ª edição da Feira das Colheitas, considerada um dos principais cartazes turísticos de Arouca.

Exposições, feiras, música, gastronomia, etnografia e folclore integram até domingo o programa do certame, numa organização da autarquia.

A Feira das Colheitas foi inaugurada pela primeira vez em 1944, mantendo-se com idênticas características ao longo de algumas décadas, durante as quais a população continuou essencialmente «amarrada» à agricultura.

A partir da década de 60, o evento entrou em declínio, já que o sector agrícola acabou por ser progressivamente entregue aos «braços mais cansados» – com o advento da guerra nas ex-colónias e a emigração em massa para França e outros países europeus, com o desenvolvimento da indústria, do comércio e dos serviços.

A iniciativa volta nos nossos dias a ter um papel preponderante para a promoção do município, tendo diversificado as actividades e conseguido, desta forma, voltar a atrair visitantes de todo o País.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *