Arouca, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa de Varzim, S. João da Madeira, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, Sociedade, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia

Incêndios – 30 mil hectares ardidos este ano

A área ardida quase duplicou entre 2008 e 2009, atingindo perto de 30 mil hectares, mas o ministro da Administração Interna lembrou que o valor está «muito longe» das previsões de «técnicos e cientistas».

De acordo com os dados provisórios apresentados hoje pelo comandante da Autoridade Nacional da Protecção Civil (ANPC), Gil Martins, até 30 de Agosto arderam 29.923 hectares, enquanto no ano passado a área afectada foi de 17.244 hectares.

Para o ministro da Administração Interna, Rui Pereira, este aumento deve-se essencialmente às condições climáticas – que «este ano são muito piores».

O responsável lembrou que em 2006 e em 2007 a «área ardida foi superior», atingindo os 75.509 hectares e 31.450 respectivamente.

O ministro recordou que, «em 2005, estudos científicos e técnicos apontavam que ardesse até 2012 uma média anual de 100 mil hectares».

Estes valores são o resultado do «esforço incansável dos bombeiros», das condições climáticas e da criação de «medidas correctas», defendeu Rui Pereira, em declarações ao jornalistas na terça-feira, em Lisboa, no final da última reunião com a subcomissão parlamentar que tem acompanhado os trabalhos da ANPC.

O ministro apontou o trabalho que tem sido realizado desde 2005, com a criação da Força Especial de Bombeiros, o maior envolvimento da Guarda Nacional Republicana e a revisão do Código Penal que em 2007 agravou as penas relacionadas com incêndios.

O número de ocorrências também aumentou este ano: até 30 de Agosto registaram-se 14.143, o dobro das registadas em 2007 e mais cinco mil do que no ano passado. Mas a média de ocorrências entre 2000 e 2005 rondou as 21 mil e em 2006 a ANPC registou 16.620 ocorrências.

Já este ano, o dia mais grave foi este fim-de-semana, a 30 de Agosto, altura em que a Protecção Civil registou 444 novas situações. Este Verão, o distrito do Porto foi o mais fustigado, seguido de Viseu e Aveiro.

Mais de 90 por cento dos fogos têm origem humana e o fim-de-semana continua a ser a altura em que se registam mais acidentes, porque «aumentam os comportamentos negligentes nas festas e romarias, piqueniques e queimadas», lamentou Rui Pereira.

Mas também existem casos que estarão relacionados com comportamentos dolosos, principalmente os incêndios que começam à noite.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *