Arouca, Desporto, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa de Varzim, S. João da Madeira, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia

Onda azul inundou Castelo Branco, Manuel Cardoso conquistou a liderança

O campeão nacional Manuel Cardoso (Liberty Seguros) deitou por terra a perspectiva de uma vitória do italiano Alessandro Petacchi (LPR), e arrebatou a camisola amarela a Cândido Barbosa, ao vencer, esta quinta-feira, a primeira etapa em linha da 71ª Volta a Portugal-Lagos Sports, a mais longa da prova com 228,7 quilómetros, entre Caldas da Rainha e Castelo Branco. Em resultado das bonificações, o alemão Danilo Hondo (PSK) subiu ao 2º lugar da geral, enquanto Cândido desceu ao terceiro lugar.

Depois de sucessivos ataques logo após a partida, isolou-se na frente da corrida um grupo de 12 corredores, que incluía Danilo Hondo e Tomas Buchacek (PSK), Isidro Nozal (Liberty), Nuno Marta (Loulé), Francesco Tomei (Lampre), Oleg Chuzda (Contentpolis), Sérgio Sousa (Madeinox) Hélder Oliveira (Barbot), Giairo Ermetti (LPR), Frederic Amorison (Landbouwkrediet) e dois “guarda costas” da equipa do líder, Ricardo Mestre e Alejandro Marque. 

Mesmo com os homens do Palmeiras Resort/Prio no comando da perseguição o grupo da frente foi-se distanciando e com 51 Km de corrida a vantagem alcançada cifrava-se em mais de oito minutos, baixando para 7m 50s na passagem pela primeira meta volante, ao Km. 57,5, em Alpiarça, onde triunfou o alemão Danilo Hondo. Com cem quilómetros percorridos, cinco corredores lograram escapar-se ao grupo fugitivo e conquistar uma vantagem de cerca de três minutos. Eram eles Hélder Oliveira, único português na fuga, Francesco Tomei, Oleg Chuzhda, Frédéric Amorison e Danilo Hondo.

O Tavira persistiu sempre na perseguição aos corredores da frente, acabando o pelotão por alcançar, ao Km. 109, os sete ciclistas que restavam do grupo protagonista do primeiro ataque do dia, o que não impediu que o quinteto em fuga registasse, ao Km. 114, a vantagem de sete minutos. Cumprida a terceira hora de corrida a média situava-se em 43,3 Km/h e foi notório um certo abrandamento do pelotão que permitiu aos fugitivos chegar à vantagem de 9m 14s, diferença que, no entanto, mercê do trabalho da Lampre, baixou para cinco minutos na passagem pela meta volante de Nisa, ao Km. 164,5 Km, onde Danilo Hondo voltou a ser o primeiro, aumentando assim para seis segundos o total de bonificações averbadas nas duas primeiras metas volantes.

Quando a equipa LPR do famoso sprinter italiano Alessandro Petacchi entrou em acção, os fugitivos, reduzidos a quatro unidades, já que o belga Frédéric Amorison perdeu o contacto com a frente da corrida, a diferença foi sendo reduzida situando-se em 3m 35s no Prémio da Montanha de 3ª catg., em Vila Velha do Ródão, com 176,7 Km, onde triunfou o ucraniano Oleg Chuzhda, que se tornou líder da montanha ao obter nova vitória no Alto da Atalaia, de 3ª categ., ao Km. 192,6.

Alcançados os fugitivos a sete quilómetros da chegada, tudo se conjugava para Alessandro Petacchi se candidatar ao ‘sprint final, com os homens da LPR a controlarem as operações, mas a Liberty Seguros assumiu o comando no último quilómetro e lançou para a vitória o seu campeão nacional, Manuel Cardoso, que arrebatou a camisola amarela a Cândido Barbosa, segundo a cortar a meta ao passo que o italiano nem sequer apareceu nos primeiros lugares.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *