Arouca, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, S. João da Madeira, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, Sociedade, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia

Época mais critica em incêndios arranca quarta-feira

Cerca de 9.800 elementos, 2.200 veículos e 56 meios aéreos vão estar disponíveis a partir de quarta-feira para combater o período considerado mais crítico em incêndios florestais, segundo a directiva operacional da Autoridade Nacional de Protecção Civil.

A fase «Charlie», que começa quarta-feira e se prolonga até 30 de Setembro, é a que mobiliza mais meios humanos e materiais ao integrar um total de 9 829 elementos, 2.196 e 56 meios aéreos dos vários agentes no terreno, além dos 236 postos de vigia da responsabilidade da GNR.

Nos próximos três meses, o dispositivo de combate a incêndios florestais conta com 4 255 bombeiros, com o Grupo de Intervenção de Protecção e Socorro (GIPS) da GNR, presente em 11 distritos com cerca de 700 elementos, com as 50 equipas da Força Especial de Bombeiros «Canarinhos», num total de 259 elementos, e com as 120 Equipas de Intervenção Permanente compostas no total por 600 operacionais.

Brigadas dos sapadores florestais, do Exército e da AFOCELCA, associação de empresas do sector papeleiro e de celulose, oito brigadas do Grupo de Análise e Uso do Fogo (GAUF) e 60 Equipas de Vigilância e Ataque Inicial são outros agentes no terreno durante o período de maior vulnerabilidade para a ocorrência de incêndios florestais.

Todo este dispositivo é coordenado pela Autoridade Nacional de Protecção Civil, através do seu Comando Nacional (CNOS) e Comandos Distritais de Operações de Socorro (CDOS).

Os meios aéreos disponíveis incluem 35 helicópteros e 16 aviões. Dos 56 aparelhos, nove são meios do próprio Estado, sendo os restantes alugados através de concursos.

Recentemente, o secretário de Estado da Protecção Civil, José Miguel Medeiros, disse à Agência Lusa que o custo total dos meios aéreos está orçado anualmente em 48 milhões de euros, valor que inclui os meios próprios e alugados.

Também na quarta-feira tem início o período crítico de prevenção contra incêndios, durante o qual são proibidas queimadas e fogueiras em zonas florestais e no espaço rural, sendo também proibido fumar e usar equipamentos de queima e combustão destinado à iluminação e/ou confecção de alimentos.

Este período, classificado pelo Governo como «crítico», começa em simultâneo com a fase «Charlie», mas prolonga-se por mais duas semanas, terminando a 15 de Outubro.

Em Maio, na apresentação do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais, o ministro da Administração Interna, Rui Pereira, garantiu que Portugal «tem todas as condições para se sentir tranquilo», tendo em conta os meios disponíveis e a capacidade de resposta que está instalada.

«Este é o terceiro ano consecutivo de consolidação de um dispositivo que tem dado resultados», adiantou ainda Rui Pereira, na ocasião.

Nesse sentido, o dispositivo deste ano não apresenta grandes novidades relativamente ao Verão de 2008, registando apenas pequenos ajustamentos na colocação de helicópteros e de efectivos.

Na terça-feira termina a fase «Bravo» de combate a incêndios florestais, que desde 15 de Maio mobiliza mais de 6 000 elementos, 1 600 veículos e 24 meios aéreos.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *