Arouca, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa de Varzim, S. João da Madeira, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, Sociedade, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia

Cartão do Cidadão disponível em 80 por cento dos consulados até Setembro – Secretário de Estado

Oitenta por cento dos consulados portugueses espalhados pelo mundo deverão ter, em Setembro, «a cobertura da área consular com oferta do Cartão do Cidadão», anunciou o secretário de Estado das Comunidades, António Braga.

Durante uma visita esta segunda-feira ao consulado geral de Paris, França, António Braga referiu que «há já um conjunto de consulados com relevo para a Europa, mas também fora da Europa, que estão a receber o programa».

«A nossa meta é termos cerca de 80 por cento de todo o trabalho consular com a oferta do Cartão do Cidadão até ao mês de Setembro e, nessa medida, estão agora a desenvolver-se um conjunto de acções», afirmou o governante.

Na Suíça, Londres, Canadá e alguns países da América Latina «esse procedimento está a ser desenvolvido», afirmou.

António Braga mencionou igualmente que também «o programa de acesso directo à base de dados da justiça – que permite fazer o serviço na hora – já está praticamente todo concluído, devendo até ao final do mês de Julho ficar disponível a 100 por cento na rede consular».

No âmbito desta reestruturação consular levada a cabo pelo Governo português, está previsto o redimensionamento da rede existente por todo o globo, sendo Paris um exemplo.

À semelhança do consulado da capital francesa, também o consulado de Londres será alvo de uma reestruturação, segundo o secretário de Estado.

«Todo o processo de reestruturação consular foi lançado à rede mundial que Portugal dispõe e a rede consular tem uma dimensão que, relativamente a Portugal, é considerada das mais fortes», disse.

«Há um esforço extraordinário de Portugal, também orçamental, para podermos proporcionar este serviço às pessoas na vertente do serviço público e portanto essa é a razão de ser da reestruturação», disse.

Apesar do ligeiro atraso «relativamente à própria modernização, o caso de Londres enquadra-se nesse plano», justificou.

«Acredito que no mês de Setembro temos todo o processo de transformação concluído e com uma estrutura equivalente em termos funcionais à de Paris», acrescentou.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *