Arouca, Economia, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa de Varzim, S. João da Madeira, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia

Presidente da AEP reclama «atenção especial» do Governo e da UE para a região Norte

O presidente da Associação Empresarial de Portugal (AEP) reclamou uma «atenção especial» do Governo e da Comissão Europeia para a região Norte do país, que diz ser «não só um problema nacional, mas europeu».

«Não é só o Governo português que tem de olhar muito mais para o Norte, mas a própria Europa, que tem aqui uma região interessante, com grandes tradições de indústria, e que está numa situação aflitiva», afirmou José António Barros, em entrevista à agência Lusa.

Segundo Barros, o Norte de Portugal «já foi uma das regiões mais industriais da Europa», mas é hoje «a mais pobre» da União e «um desequilíbrio grave numa região europeia é um problema para toda a Europa e não só para Portugal».

«Se temos Europa é uma obrigação da Europa olhar para esta região, tal como se preocupou há uns anos atrás com as regiões que surgiram após a queda do Muro de Berlim e o fim da Guerra Fria. Tem que olhar para esta região», sustentou o dirigente associativo.

De acordo com José António Barros, o «notável crescimento» das exportações que o Governo «apregoou» em 2006 e 2007 foi obtido «não com a Autoeuropa nem a Qimonda, mas com os sectores tradicionais da economia, que estão na região Norte».

«É muito interessante analisar a balança tecnológica, mas não é isso que vai equilibrar a balança de pagamentos nacional, são os bens transaccionáveis, produzidos pelos sectores tradicionais da economia, que o vão fazer e isso está aqui na região Norte», sustentou.

Neste âmbito, o presidente da AEP referiu-se ao Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, cuja gestão autónoma tem sido reclamada pelas autoridades locais.

«Há forte vontade política no Norte para gestão do aeroporto e apoiamos claramente nesta matéria a posição da Junta Metropolitana do Porto», afirmou, salientando que «não há nenhuma razão para a região Norte não ter uma palavra muito forte na gestão do Aeroporto Sá Carneiro».

«Entendemos que o Governo não vai ter outra solução senão dar à região Norte uma posição clara na gestão do Aeroporto Sá Carneiro, [nomeadamente na área da exploração comercial e da gestão de rotas], sobre as quais nós não nos vamos calar», garantiu.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *