Cultura, Póvoa de Varzim

São Pedro de Rates e outros casos verdadeiros conheceu, ontem, 2ª edição – P. Varzim

Foi ontem apresentado, na Junta de Freguesia de Rates, o livro São Pedro de Rates e outros casos verdadeiros, de Lino de Miranda. Esta é a 2ª edição, número 22 da colecção Na Linha do Horizonte Biblioteca Poveira, e que conheceu a sua primeira publicação em 1985, editada pela Associação de Amizade de S. Pedro de Rates.

Estiveram presentes na sessão Luís Diamantino, Vereador da Cultura, Armindo Ferreira, Presidente da Junta de Freguesia de Rates, Lino de Miranda, filho do autor, José Manuel Figueiredo, Presidente do Conselho de Freguesia de Rates e Celestino da Fonte, Presidente da Assembleia de Rates.
A obra, agora reeditada no Dia do Padroeiro da Freguesia (26 de Abril), foi escrita como um acto de revolta do autor pela substituição de S. Pedro de Rates como padroeiro da diocese de Braga, operada por decreto diocesano e suportada em supostas dúvidas quanto à existência histórica daquela figura. A este propósito, Armindo Ferreira refere, no prefácio da 2ª edição, que “era, verdadeiramente, o fim de um tempo, mais difícil que o da perda das relações sociais que transmitiam, de geração em geração, costumes e crenças”.
«Foi nesse contexto, de revolta e de recusa, que se impôs o registo do primeiro “caso verdadeiro” desta colectânea: o de S. Pedro de Rates, ele mesmo – o santo que, ainda fisicamente presente em igrejas e capelas de um norte que era praticamente todo o território acima do Douro, surgia também “do outro lado do mar, pequeno e firme aos ventos e aos séculos, (…) na cidade de S. Salvador da Baía, (…) erguido em forte…”. (…) Foi neste Brasil que, “no vigésimo primeiro dia antes da festa do Santo”, em 1980, a narrativa da santidade de Pedro, extensa de mais de 50 páginas, foi concluída. Foi, aliás, lá e cá que, entre 1978 e 1984, estes “casos” foram escritos», esclareceu Armindo Ferreira.
Sobre o livro, Armindo Ferreira acrescentou ainda que “acabou, afinal, registo único e escasso da vasta galeria de estórias que se foram sedimentando na memória de Lino de Miranda e o acompanharam sempre como um dos melhores testemunhos da identidade, da cultura e do carácter da sua Terra. Porque ele sabia quanto esta faceta imaterial do retrato de S. Pedro de Rates era importante para atestar a singularidade dos seus conterrâneos”.
Sobre o autor
Lino de Miranda nasceu em São Pedro de Rates, em 1941, vindo a falecer com apenas 49 anos, no Brasil.
Estudou em Rates, no Liceu da Póvoa de Varzim, na Universidade de Coimbra (Filologia Clássica), na Faculdade Objectivo, de S. Paulo (Administração de Empresas) e na Universidade Estadual Paulista, S.P. – Brasil (Mestrado em Teoria Literária e Literatura Comparada).
Foi professor no ensino secundário particular, no preparatório, no secundário e nas universidades do Amazonas, Estadual Paulista e Católica Portuguesa.
Também exerceu cargos públicos e políticos, foi Vereador da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim e Presidente da Comissão Municipal de Turismo.
É autor do livro de poemas Para Helena (Coimbra, 1964) e do estudo «O Presságio» de J. Anastácio da Cunha (Tomar, 1968). Publicou NOSTOS (Póvoa de Varzim, 1984), A Praça dos Espelhos (Vila do Conde, 1986) e colaborou numa obra de narrativas curtas, Fabulário Fabuloso (Vila do Conde, 1986). Realizou a sua tese sobre Platão, Para uma poética de Platão: ÍON (UNESP, Campus de Assis, S. Paulo, 1982). Para além destas publicações, tem colaboração dispersa por jornais e revistas.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *