Arouca, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa de Varzim, S. João da Madeira, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, Sociedade, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia

CCDRN assina protocolos com 33 entidades para melhorar qualidade do ar no Norte

A melhoria da qualidade do ar é o objectivo dos protocolos que a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDRN) assina quinta-feira com 33 instituições, numa cerimónia em que participa Humberto Rosa, secretário de Estado do Ambiente.

Os protocolos, que envolvem 33 entidades públicas e privadas que aderiram ao Programa de Execução de Melhoria da Qualidade do Ar, visam a adopção de medidas que minimizem as emissões de poluentes atmosféricos.

Nesta cerimónia, que terá lugar no Jardim Botânico do Porto, estará também presente o ex-ministro do Ambiente, Carlos Borrego, actual responsável pela Agenda Temática do Ambiente na CCDRN.

As instituições envolvidas incluem 22 municípios, a Junta Metropolitana do Porto, Metro do Porto, Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, Portucel, Petrogal e PSP.

Estão também envolvidas a Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM), Associação dos Industriais de Construção Civil e Obras Públicas do Norte (AICCOPN) e Associação Empresarial de Portugal (AEP).

Os protocolos prevêem a aplicação de 16 tipos de medidas, apresentadas ao Governo pela CCDRN no início de Fevereiro, tendo em vista melhorar a qualidade do ar na região, abrangendo o tráfego automóvel, a indústria e a combustão residencial.

As medidas integram o Programa de Execução do Plano de Melhoria da Qualidade do Ar, que tem como área de intervenção o Vale do Sousa, o Vale do Ave e o Porto Litoral.

Estas foram as zonas identificadas como aquelas onde se torna mais necessária a aplicação de medidas que minimizem a emissão de partículas em suspensão na atmosfera.

No que se refere ao tráfego automóvel, as medidas incluem a redução da circulação de pesados nos centros urbanos, a limitação da circulação em determinadas artérias e a renovação das frotas de autocarros.

Relativamente à indústria, os objectivos passam pela diminuição de poeiras nas obras de construção civil e a melhoria dos sistemas de despoluição de efluentes gasosos.

Quanto à combustão residencial, as medidas apontam para a certificação de novas lareiras e para o controlo da queima de resíduos.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *