Arouca, Economia, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa de Varzim, S. João da Madeira, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, Sociedade, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia

Aposta na inovação no calçado deve continuar – Leandro Melo

img_4171A indústria de calçado para conservar uma tendência de crescimento deve seguir a aposta na inovação, defendeu o director-geral do Centro Tecnológico do Calçado de Portugal (CTCP), Leandro Melo.

«Para nos mantermos na “crista da onda”, para conquistarmos novos desafios e para alcançarmos os nossos competidores – que não estão parados -, temos necessariamente que inovar», afirmou Leandro Melo, em declarações à EDV Informação.

Sublinhando que o «cluster» tecnológico do calçado «tem ajudado a alterar substancialmente» o panorama da inovação do sector, o director-geral do CTCP frisou que «o percurso traçado deve continuar nesta dinâmica».

«Nós temos a consciência de que inovar não é só uma fase ou uma etapa, é um estado de espírito. Por muito inovador que se esteja é preciso continuar, como, de resto, estamos a fazer», disse.

Leandro Melo destacou que programas como o «ShoeInov» – destinado a desenvolver projectos de I&D e inovação, no âmbito do QREN (Quadro de Referência Estratégico Nacional) – são «fundamentais» nesse desiderato.

O «ShoeInov» prevê a exploração de novos conceitos de actuação, designadamente nas áreas do luxo, ecologia e ambiente, arte e tradição, saúde, conforto e segurança.

«Isto é como no futebol: a melhor equipa do mundo não ganha sempre. Mesmo quando ganha precisa de se reforçar, fazer coisas novas», acrescentou.

Globalmente, as exportações portuguesas de calçado cresceram 2,15 por cento em 2008, para 1.348 milhões de euros, aumentando pelo terceiro ano consecutivo.

De acordo com a Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado (APICCAPS), desde 2005 as vendas para o exterior cresceram mais de 10 por cento, o que faz de Portugal «um dos principais exportadores à escala mundial» nesta indústria.

«O sector está no bom caminho. A prova disso é que, apesar de 2008 ser um ano terrível para praticamente todas as actividades económicas, as exportações portuguesas cresceram. Esperamos que assim continue nos próximos anos», concluiu Leandro Melo.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *