Arouca, Economia, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa de Varzim, S. João da Madeira, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia

Sector têxtil, calçado e da cortiça «não podem ser abandonados» – Basílio Horta

O presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), Basílio Horta, defendeu ontem que os sectores tradicionais portugueses, como o têxtil, calçado e a cortiça «não podem ser abandonados».

«Não temos indústrias tradicionais mas de tradição, muitas das quais são tecnologicamente muito avançadas e não podem ser abandonadas» numa situação de crise internacional, disse o responsável pela Agência, em Lisboa.

Basílio Horta falava numa conferência sobre como «Incrementar um ambiente favorável aos negócios – Financiamento, empreendedorismo e internacionalização», realizada no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP).

No evento organizado pelo Instituto Transatlântico Democrático, instituição independente de pesquisa, investigação e educação no domínio das políticas públicas, Basílio Horta referiu também que o valor acrescentado pelas empresas de pequena e média dimensão portuguesas daqueles sectores «fica todo em Portugal e tem um reflexo muito positivo na balança comercial».

De acordo com Basílio Horta, a Agência aposta numa estratégia de diversificação para mercados, que embora tenham maior risco político possuem um potencial superior de crescimento, comparativamente aos mercados maduros da União Europeia.

Além dos países-âncora da União Europeia (Alemanha, Reino Unido, Espanha e França), e do mercado de expansão, os Estados Unidos, a Aência apoia a internacionalização, entre outros para países como Angola, Líbia, Marrocos, Tunísia, Venezuela, Brasil e Singapura.

No entanto, quanto à Espanha, país-âncora e peninsular, «Portugal não pode deixar de ter uma forte relação económica e comercial. É [também] um país muito importante para o reforço das relações ibéricas», acrescentou.

«Nada se passa no Atlântico Sul que não envolva um conjunto de países falantes de língua portuguesa e espanhola, abrangendo 800 milhões de pessoas», salientou.

Artigo AnteriorPróximo Artigo