Arouca, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa de Varzim, S. João da Madeira, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, Sociedade, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia

Período de vigilância das ondas de calor «poderá ser alargado» – ÍCARO

O período de vigilância das ondas de calor «poderá vir a ser alargado» caso em Portugal se registem temperaturas extremas fora dos actuais meses de monitorização, admitiu ontem à Lusa um responsável do sistema nacional de vigilância ÍCARO.

O sistema de vigilância e monitorização de ondas de calor (ÍCARO), um projecto nacional que engloba actividades de investigação, vigilância e monitorização de efeitos climáticos na saúde e na mortalidade humana, é accionado todos os anos entre 15 de Maio e 30 de Setembro.

«Não se justifica fazer a monitorização com temperaturas inferiores a 29 graus centígrados, mas caso se registem temperaturas extremas fora dos actuais períodos de vigilância talvez venhamos a alterá-lo», disse à Agência Lusa Paulo Nogueira, do Departamento de Epidemiologia do Instituto Nacional de Saúde (INSA) e um dos técnicos responsáveis pelo ÍCARO.

Falando no painel «10 Anos de Vigilância das ondas de Calor em Portugal: uma colaboração interinstitucional exemplar», na sede do Instituto de Meteorologia (IM), em Lisboa, no âmbito das comemorações do Dia Meteorológico Mundial de 2009, o responsável disse, no entanto, «não prever uma onda de calor extremo para este Verão».

Questionado sobre se nos próximos tempos se espera um onda de calor extrema como a que atingiu o território nacional em 2003, que segundo dados do Centro Belga de Investigação de Epidemiologia dos Desastres terá vitimado cerca de 2.700 pessoas em Portugal, o especialista disse ser «impossível fazer esse tipo de previsões».

«É impossível fazer previsões de ondas de calor que ultrapassem os dois a três dias, mas este ano não estou à espera que as ondas de calor tenham um impacto muito grande», disse Paulo Nogueira.

«No último Verão [2008], por exemplo, não houve ondas de calor, isto demonsta o quanto difícil é prever estas situações», reiterou.

Sobre as temperaturas muito elevadas para e época que se fizeram sentir na semana passada, o especialista foi peremptório: «De facto, são temperaturas elevadas que podem ter algum impacto, mas até agora não há evidência de excesso de óbitos devido ao calor».

O especialista do Instituto Nacional de Saúde disse ainda, a título pessoal, que até agora «nunca viu uma resposta dos Planos de Contingência em Portugal que tenha diminuído os efeitos» das ondas de calor: «É extremamente difícil», sublinhou Paulo Nogueira.

Durante a sua intervenção, o especialista sublinhou que, «apesar de alguns acidentes de percurso com previsões que falharam», houve um grande progresso do sistema de vigilância e monitorização nos últimos dez anos, salientando que, em 2003, Portugal era o «único país da Europa» a ter tal sistema implementado.

Artigo AnteriorPróximo Artigo