Educação, Santo Tirso, Tecnologia

Câmara Municipal de Santo Tirso e escola secundária Tomaz Pelayo vão coodernar projecto contra o desemprego

Carlos Zorrinho, Coordenador Nacional da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico, deslocou-se hoje, a Santo Tirso, para participar na cerimónia de assinatura de um protocolo de colaboração formalizado entre a Câmara Municipal de Santo Tirso e a Escola Secundária de Tomaz Pelayo para ajudar a combater o desemprego e a reforçar a formação profissional no concelho.  

Novas Tecnologias, Formação, Empregabilidade, Empreendorismo e Inovação assim se denomina este projecto pró-emprego que será coordenado pelas duas instituições atrás referidas mas que será desenvolvido em parceria com várias empresas e uma dezena de instituições educativas do concelho, envolvendo mais de 2 500 alunos.  

Na actualidade, e tal como referiu o presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, Castro Fernandes, “é urgente dar respostas imediatas às dificuldades das populações e das suas regiões”. Ora, segundo o autarca, isso só se consegue se formos capazes “de abrir caminhos que promovam a transferência de conhecimento e tecnologia” e ajudem a potenciar “a expansão e o reforço de redes que visem a criação de riqueza, emprego, melhoria de qualidade de vida e estabilidade social”. Para o presidente da Edilidade Tirsense, “a parceria que acaba de ser formalizada com a comunidade educativa local” é a primeira etapa de um projecto que tem por mérito “ajudar a combater, objectiva e eficazmente, o desemprego neste concelho e nesta região”, aproximando “a comunidade escolar ao tecido empresarial e industrial da região”. E acrescentou: “A criação desta plataforma pró-emprego” vai de encontro às pretensões “dos jovens desempregados ou candidatos a primeiro emprego mas também dos desempregados de longa duração”. Para Castro Fernandes, as fases posteriores serão de “reforço de novas parcerias e de parcerias já existentes ao nível dos  centros de formação profissionais, escolas profissionais, universidades, instituições educativas, associações industriais e empresariais, empresas, indústria, incubadoras, fundações, sindicatos, instituições públicas e privadas, cooperativas e organizações não governamentais” E concluiu, regozijando-se que “esta aposta no combate ao desemprego através da utilização desta plataforma tecnológica” tenha envolvido mais de 2500 alunos, 100 professores e 10 estabelecimentos de ensino do concelho. 

Para a presidente do Conselho Executivo da Escola Secundária Tomaz Pelayo, Maria Odete Barbosa, a assinatura deste protocolo de colaboração “enche a escola de orgulho” por duas razões: Primeiro porque está no “lançamento de um projecto inovador” e depois porque se reconhece que esta escola “sempre esteve na linha da frente do que é tecnologia e inovação”. “O historial da escola ao nível do ensino profissional” permite garantir que “os nossos alunos” já saiam direccionados para o emprego “como técnicos especializados”, pelo que, nessa medida, este projecto “tem tudo para ser bem sucedido”, concluiu. 

Carlos Zorrinho, enquanto Coordenador Nacional do Plano Tecnológico não quis deixar de vir a Santo Tirso “apadrinhar este projecto inovador a nível local” já que estava em presença de “uma rede local de excelência” que não só vai ajudar “a modernizar o Concelho de Santo Tirso” como contribuirá para “contaminar, no bom sentido, outros municípios”. O também coordenador da Estratégia de Lisboa não deixou de dar os parabéns à Câmara Municipal de Santo Tirso “por ter sabido ser o pivot deste projecto” envolvendo os principais actores locais para a modernização económica de um concelho “empresas e escolas”, na senda do que já vem fazendo com a “requalificação profissional de desempregados em parceria com a Microsoft e o Citeve” e com “a instalação do Call Center da PT [200 empregos] em Santo Tirso”. 

No fundo, esta iniciativa da Câmara Municipal de Santo Tirso e da Escola Secundária de Tomaz Pelayo pretende agrupar alunos e professores dos vários graus de ensino do concelho num grande desafio: perspectivar o seu futuro profissional, conhecendo a oferta formativa e as alternativas de inserção no mercado de trabalho, através da realização de trabalhos práticos nos Centros CRIES – Computadores, Redes e Informática nas Escolas. 

Estudantes, docentes, população jovem, escolas e instituições educativas do nosso Concelho, universidades, centros de formação profissional e empresas são os públicos-alvo do projecto «Novas tecnologias, formação, empregabilidade, empreendedorismo e inovação», que visa impulsionar o dinamismo e valorizar as ideias inovadoras dos participantes. A primeira fase do evento, que diz respeito à realização dos trabalhos, está já em curso nas escolas onde existem Centros CRIES e TIC, nos quais os participantes se reúnem em grupos consoante os graus de ensino que frequentem, de acordo com a seguinte metodologia: 

     1º e 2º ciclos – As profissões: o que quero ser quando for crescido?

    Mediante a utilização dos suportes informáticos existentes nas escolas, nomeadamente o computador “Magalhães”, os alunos deverão realizar trabalhos criativos e de pesquisa sobre as profissões, tendo por base as suas ideias quanto ao seu próprio futuro. Produto final: vídeos-profissão. 

     3º ciclo – Escolhas e percursos formativos: qual o meu rumo?

    Chegados ao final do 9º ano, os jovens sentem normalmente dificuldade em definir o rumo a tomar para o futuro. Os gabinetes de apoio ao aluno existentes nas escolas são uma ajuda fundamental, mas só um conhecimento mais aprofundado de todas as opções formativas existentes poderá ajudar verdadeiramente cada estudante. Por isso, no âmbito deste projecto, sugere-se que os alunos do 3º ciclo de escolaridade façam uma investigação alargada de todas as hipóteses de que dispõem, sistematizando os resultados dessa pesquisa num documento explicativo que deverá ser completado com as observações e perguntas dos participantes, e difundido por via electrónica, para uma mais eficaz troca de ideias. Produtos finais: apresentação interactiva e o vídeo-curricular. 

    4º ciclo – Inserção no mercado de trabalho: que alternativas?

    Mais do que qualquer outro estudante, os finalistas do 12º ano necessitam de avaliar com clareza os vários caminhos que podem seguir até à sua profissionalização. Saber quais as alternativas disponíveis e os mecanismos e os instrumentos de que dispõem é a melhor maneira de perspectivarem o seu futuro. A apresentação de trabalhos criativos, no âmbito de um dossier digital, será um factor-chave. Produtos finais: criação de um portal de emprego e o vídeo-curricular. 

A realização dos trabalhos conta com o acompanhamento dos coordenadores e professores da disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação. O prazo para a apresentação dos trabalhos ao júri (composto por um representante por categoria e estabelecimento de ensino, um perito em TIC, uma pessoa de reconhecido mérito universitário e elementos da Câmara Municipal de Santo Tirso) expira no dia 25 de Abril de 2009, dando lugar a um concurso para selecção dos melhores, a ter lugar nas instalações da Incubadora de Empresas de Santo Tirso, no dia 29 do mesmo mês. No dia 30 de Abril, terá lugar, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Santo Tirso, a apresentação pública dos melhores trabalhos, nos meet-points e um colóquio e a entrega dos prémios e das menções honrosas. 

Instituições Educativas participantes:

     Agrupamento de Escolas d’Agrela e Vale do Leça

     Agrupamento de Escolas de Santo Tirso

     Agrupamento de Escolas de S. Martinho do Campo

     Colégio de Santa Teresa de Jesus

     Oficina-Escola Profissional do INA (Instituto Nun’Alvares)          

Escola Profissional Agrícola Conde S. Bento

     Escola Profissional de Serviços Cidenai

     Escola Secundária D. Afonso Henriques

     Escola Secundária Tomaz Pelayo 

Principais produtos a apresentar pelos jovens alunos:

Portais de Emprego, Vídeo Curriculum, Vídeo Profissões, Apresentações interactivas.  

E porque as políticas da Câmara Municipal de Santo Tirso reflectem também a preocupação com o Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável, em todas as etapas deste projecto deverá ser privilegiado o recurso aos suportes tecnológicos, evitando-se, a todo o custo, a utilização de papel. Assim, será também nos contactos a estabelecer entre todos os participantes, e nos contactos destes com as estruturas organizativas, que deverão ter como veículo a internet, através do correio electrónico, os sms e a plataforma moodle. 

Esta iniciativa já está registada e com menção no site Criar 2009.gov.pt, no âmbito do Ano Europeu da Criatividade e Inovação.  

http://criar2009.gov.pt/calendario-oficial/novas-tecnologias-formacao-empregabilidade-empreendedorismo-e-inovacao/ 
 

Esta iniciativa é a primeira fase de um projecto de âmbito mais alargado destinado em específico à resolução dos problemas de desemprego que assolam esta região e, em especial, o Concelho de Santo Tirso.

Este projecto visa a criação de uma plataforma pró-emprego que congregará de forma sistematizada uma base de informação, documentação e conhecimento nas vertentes:   

– das  ofertas de emprego e de formação em rede directa e de rápido acesso;

– das entidades empregadoras e formadoras da região;

– das medidas activas e programas de emprego;

– dos sindicatos ao nível do apoio jurídico;

– do apoio ao investimento e à criação de PME’S;

– de todos os sites institucionais  e redes operacionais de emprego com todos os acessos directos e ilimitados.   

Através desta plataforma pró-emprego, pretende-se que todos os jovens desempregados ou candidatos a primeiro emprego, desempregados de longa duração e estudantes obtenham informação privilegiada e de rápido acesso  em termos de colocações, preenchimento de ofertas de emprego e de estágios e na obtenção de qualificação e formação profissional de forma a possibilitar a colocação on-line dos seus curriculuns vitae  e dos seus vídeo-curriculuns, e permitir ao próprio desempregado e estudante o livre acesso  às ofertas das entidades empregadoras e formadoras.  

As fases posteriores serão de reforço de novas parcerias e de parcerias já existentes ao nível dos  centros de formação profissionais, escolas profissionais, universidades, instituições educativas, associações industriais e empresariais, empresas, indústria, incubadoras, fundações, sindicatos, instituições públicas e privadas, cooperativas e organizações não governamentais.  

Depois da apresentação seguiu-se uma visita à Escola Secundária de Tomaz Pelayo e aos trabalhos dos alunos, bem como à empresa REDICOM, em Santo Tirso. A REDICOM iniciou-se como uma ILE – Iniciativa Local de Emprego, por jovens empresários, na área das novas tecnologias surgindo com o objectivo de satisfazer o mercado empresarial no âmbito das tecnologias de informação e comunicação. Na sua gestão de recursos humanos utiliza as medidas activas de emprego com os estágios profissionais e o inov-jovem. 

Artigo AnteriorPróximo Artigo