Cultura, Santo Tirso

Depois de 36 dias a marcar o quotidiano tirsense termina Sábado, 21 de Março, a sexta edição de “a poesia está na rua” – Santo Tirso

A sexta edição de “A POESIA ESTÁ NA RUA” – iniciativa cultural que a Câmara Municipal de Santo Tirso leva a efeito anualmente com o objectivo de promover a poesia no concelho – termina amanhã, sábado, dia 21 de Março (Dia Mundial da Poesia) com as já tradicionais “24 HORAS DE POESIA”, iniciativa que, todavia, arranca hoje, sexta-feira, dia 20 de Março, com a homenagem ao poeta A. M. Pires Cabral em cerimónia pública a decorrer no salão nobre dos Paços do Concelho, às 21h30. 

Depois de “A Poesia Está na Rua” (2004, com homenagem ao poeta António Ramos Rosa), de “A Poesia e o Surrealismo” (2005, com homenagem ao poeta Artur do Cruzeiro Seixas), de “A Poesia faz bem à Saúde” (2006, com homenagem ao poeta Manuel António Pina), de “A Fé na Poesia” (2007, com homenagem ao poeta José Tolentino de Mendonça) e de “Ofício de Poeta” (2008, com homenagem ao poeta António Osório), surgiu agora em 2009 o “Pano Pramangas” com a homenagem ao poeta A. M. Pires Cabral. 

A. M. PIRES CABRAL nasceu em Chacim, Concelho de Macedo de Cavaleiros, em 1941. É licenciado em Filologia Germânica e professor do ensino secundário em Vila Real. É também o assessor cultural da Câmara Municipal. É sócio da Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Porto, membro do Núcleo Cultural Municipal de Vila Real e Chefe de Redacção da revista Tellus. Foi o principal responsável da comissão instaladora do Centro Cultural Miguel Torga. Tem coordenado importantes e regulares acções culturais, patrocinadas pela autarquia. Em 1983 ganhou o Prémio Literário do Círculo de Leitores, com o livro Sancirilo (de ficção). Foi recentemente galardoado com o Prémio D. Diniz, atribuído pela Fundação da Casa de Mateus pelos seus livros de poesia Douro: Pizzicato e Chula e Que Comboio é Este: “O prémio Dom Diniz entregue ao autor transmontano representa a justa consagração e o reconhecimento nacional de um percurso que se tem pautado pela exigência, sensibilidade e fidelidade às origens”, afirmou Cavaco Silva, durante a cerimónia. 

A NOVIDADE DO “PANO PRAMANGAS” 

“Pano Pramangas” deu o mote à sexta edição do programa “a poesia está na rua”; a têxtil (e o complexo tecido de relações sociais, profissionais e económicas) inspirou os dias numa alargada malha de cores, odores, sabores, tons (são tantos os eventos e tantos os lugares); sempre que “a poesia está na rua” cidadãos, operários, familiares e amigos foram apanhados na teia da fantasia, das palavras; a fábrica do teles, o edifício da cadeia e o mercado municipal, foram pontos de encontro no calendário do programa, o qual incluiu ainda as escolas do concelho com as “áreas de serviço – abastecimento gratuito de poesia e afins”. 

Sobre o programa das “24 horas de Poesia” importa referir que integra uma vintena de acções que vão decorrer na antiga Fábrica do Teles (o grosso das iniciativas) e na antiga Cadeia (uma série de mini-espectáculos a levar a efeito entre as 20 e as 22 horas) e das quais salientamos (a bold) as seguintes: 
 

20>MAR

21h30 – Homenagem ao poeta A. M. Pires Cabaral – Salão Nobre da Câmara Municipal de Santo Tirso

23h00 – Ceia Poética – Clube Thyrsense 
 

21>MAR

LOCAL: Antigas Instalações da Fábrica do Teles (junto à Estação da CP) 

10h00 BAR – “delicias de pano e outras texturas” – secção das provas 

11/12h00 > 15/16h00 “xata” – poesia teatral

poesia teatral > criação e interpretação: tânia dinis e xana miranda > produção: tenda de saias > projecto de poesia teatral que parte de um reportório que inclui grandes nomes da poesia portuguesa. Xata pretende mostrar que a poesia não é chata, através de uma mostra poética intensa e com sentido de humor, levada a cabo em espaços de café-concerto e outros espaços não convencionais. 

15H “alinhavar memórias” – percurso pedonal pelo espaço da fábrica (percurso orientado por antigos trabalhadores)  

16h00 – concerto pela banda militar do porto – acontece no largo dos fundadores

A Banda Militar do Porto, (que até 30 de Junho de 2006 se chamava de Banda de Música da Região Militar do Norte) actualmente sediada na Escola Prática de Transmissões, teve a sua origem na Banda do Regimento de Infantaria Nº 6, constituída no último quartel do século XIX. Actualmente a Banda Militar do Porto é chefiada pelo Ten. CBMus Alexandre Coelho, tendo como SubChefe o Sch Gil Alves e é composta por 74 elementos.   

18h00 – lançamento do livro de poesia “a libertação do pensamento …em nome da vida!” do poeta Pedro Ribeiro – secção das letras 

19h00 – “texturas” – espectáculo de poesia e moda –  secção das linhas de cor

texturas > espectáculo de poesia e moda > produção executiva: soraia costa, sofia torrinha, inês cardoso > O conceito deste projecto será a criação de um evento, onde a fusão entre a Poesia e Moda seja permitida. Para tal, este evento tem  a participação de duas bandas: GODOT (banda tirsense com influências no teatro, cinema e poesia e, ainda a participação de um Dj ( Rui Torrinha ).

“…situemo-nos na fábrica e nos vários artefactos inerentes…e eis que surge a melodia que por simplicidade acompanha a poesia falada, cantada e projectada…

…a interacção humana descreve o tema, texturizando com harmonia a sequência cronológica que enquadra as várias vertentes artísticas…” 
 

Importa referir que no espaço temporal de duas horas, ou seja, entre as 20h00 e as 22h00 decorrem no antigo edifício da Cadeia (Rua S. Bento da Batalha) uma série de mini-espectáculos a não perder, regressando a iniciativa logo a seguir ao final do espectáculo à Fábrica do Teles com… 
 

22h10 – “fio da vida” – espectáculo – secção do fio d´ouro

“fio da vida” > espectáculo > direcção artística e encenação: pedro ribeiro > produção executiva: miguel carvalho (moinhos e ventos) > sinopse: O teatro e a música interpretados ao vivo e aliados a uma forte componente visual irão oferecer ao público uma experiência poética. Uma cantora lírica, um pianista, um grupo de bailarinas e as três parcas, as fiandeiras do destino, farão um novelo aos cinco sentidos. De Handel a Debussy encontrando Bellini e Verdi, de Sophia de Mello Breyner a Max Aub. Um espectáculo a não perder, de poesia visual, sonora e por fim degustativa… 

23h00 – “o baile dos candeeiros” – baile de encerramento – secção do fio d´ ouro

o baile dos candeeiros” > baile > criação: radar 360º – associação cultural > direcção artística: antónio oliveira > direcção técnica: rui ferreira >  interpretação: julieta rodrigues, filipe caldeira, mariana amorim, jaime soares > produção executiva: miguel carvalho > sinopse: Todos nós temos um universo mágico que carregamos da nossa infância. Candeeiros humanos, autónomos, espalhados por pontos estratégicos. Ganham características dos espaços que habitam. Acendem, apagam, respiram, dançam, interagem, reagem…  

Artigo AnteriorPróximo Artigo