Cultura, Póvoa de Varzim

Correntes d’Escritas apresentado hoje – programa “a dobrar” comemora 10 anos de encontros – P. Varzim

Foi apresentada hoje, em conferência de imprensa, a 10ª edição do Correntes d’Escritas – Encontro de Escritores de Expressão Ibérica, que decorre na Póvoa de Varzim entre 11 e 14 de Fevereiro.
Luís Diamantino, Vereador do Pelouro da Cultura, fez questão de frisar que em 2009 o evento “completa dez anos de vida. Começou algo vacilante, como quando se começa a andar, e agora, já com os pés no chão, surge com uma nova imagem”.
E, na sua opinião, são “vários os motivos para estarmos com atenção ao Encontro”, começando por salientar “o dia 11, pois a abertura do evento decorrerá noutro espaço, num espaço renovado, que é o Museu Municipal de Etnografia e História da Póvoa de Varzim. Assim, juntamos o maior evento que a Póvoa tem com a reabertura do Museu.” E será neste local que acontecerá a Sessão de Abertura, assim como a Conferência, proferida por Pinto Ribeiro, Ministro da Cultura, “um motivo de orgulho”, afirmou Luís Diamantino, que fez questão de recordar Eduardo Lourenço, Agustina Bessa-Luís, Eduardo Prado Coelho, Nélida Piñon e Marcelo Rebelo de Sousa, figuras que, em edições anteriores, proferiram também a Conferência de Abertura. O Vereador destacou ainda o lançamento do número 8 da Revista Correntes d’Escritas, apresentada durante a Sessão Oficial de Abertura “e que tem como tema as Correntes d’Escritas. Pode dizer-se que o evento se olha ao espelho” e também os três prémios atribuídos no âmbito do Encontro. “Temos os Prémios Literários Casino da Póvoa, Correntes d’Escritas/Papelaria Locus e, este ano, vamos ter algo de novo, visto que a Porto Editora se juntou ao evento”, sendo que desta parceria nasceu o Prémio Conto Infantil Ilustrado Correntes d’Escritas/Porto Editora, “mais uma motivação, mais um ponto de atracção”, defendeu o Vereador.

 

“Este ano vai ser tudo a dobrar”, avisou, “temos cerca de 130 participantes, onde se incluem escritores, editores ou jornalistas que participam no evento”, “temos dez mesas de debate, porque são dez anos, mesas em escolas do 1º ciclo, cada agrupamento de escolas vai ter duas mesas, uma de manhã e uma de tarde, o que nos permite ter mais contacto com os jovens que frequentam a EB 2/3 e o ensino secundário e temos ainda escolas que vêm de fora do concelho”, enunciou.
As exposições “De Caras com a Escrita”, fotografias de Rui Sousa no Diana Bar, ou “Circusntâncias”, de escultura, pintura e fotografia de Rui Anahory, no Museu Municipal, foram também pontos do programa assinalados por Luís Diamantino, a que se juntam o cinema, o teatro, o lançamento de livros, incluindo dois livros de fotografia da autoria de Daniel Mordzinski e José Carlos Marques.
“Estamos todos de parabéns, graças à colaboração de muita gente. Isto é o juntar de muitas vontades”, concluiu, recordando que foi acima de tudo “a teimosia em continuar” que permitiu ao Correntes, um projecto em que muitos poucos acreditaram durante os primeiros anos, se afirmar no panorama nacional. “Agora a Póvoa é conhecida por este evento e quem lucra são os livros”, disse, justificando-se com o facto do Encontro juntar, no mesmo espaço “livros, escritores, agentes, editores. Fazem-se muitos contactos durante o evento, e muitos contratos também”. E a fórmula do sucesso é, afinal, simples: “o segredo das Correntes são os elos que se vão fazendo com as pessoas e que duram até hoje”.
Para Susana Saraiva, representante do Casino da Póvoa, um dos patrocinadores do evento, “é interessante participar activamente no Correntes d’Escritas e premiar um escritor”, referindo-se, desta forma, ao Prémio Literário Casino da Póvoa, no valor de 20 mil euros. “Temos direccionado os nossos patrocínios para a cultura e é com muito gosto que começamos o novo ano apoiando o Correntes”. E, no final, deixou um desejo que é, certamente, o mesmo de todos os que estão ligados ao evento: “que a Póvoa se encha de cultura, de livros, de escritores”.
O Correntes d’Escritas arranca oficialmente no dia 11. No entanto, nos dias 9 e 10, decorre uma sessão de teatro, lançamento de livros e ainda uma sessão de poesia, actividades organizadas no âmbito do evento, no Novotel Vermar. O restante programa reparte-se por entre o Museu, o Auditório e a Biblioteca Municipais, o Diana Bar e a Casa da Juventude.
Toda a informação relativa ao 10º Correntes d’Escritas, como o programa ou a lista de participantes, pode ser encontrada no portal municipal, em www.cm-pvarzim.pt/go/correntesdescritas.

Artigo AnteriorPróximo Artigo