Arouca, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa de Varzim, S. João da Madeira, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, Sociedade, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia

Temperaturas médias do ar de Setembro inferiores aos valores normais

As temperaturas médias do ar foram inferiores aos valores normais durante o mês de Setembro, que registou ainda valores de precipitação recordes na região do Algarve, segundo o último boletim climatológico do Instituto de Meteorologia (IM).

Os valores médios das temperaturas máxima, mínima e média do ar em Portugal Continental foram inferiores aos correspondentes valores normais – atendendo ao período de referência 1971/2000 – em menos 0.7 graus Celsius, menos 0.6º e menos 0.7º, respectivamente.

Segundo o IM, nos últimos cinco anos, desde 2003, que a temperatura máxima no mês de Setembro, tem sido sempre superior ao valor médio, o que não sucedeu este ano.

Quanto à precipitação, as chuvas intensas que caíram na região do Algarve entre as 10:00 do dia 28 e as 10:00 do dia 29, atingiram um novo extremo absoluto diário, com um registo de 80,4 milímetros em Faro.

O anterior registo era de 58,0 milímetros, alcançado no dia 29 de Setembro de 2001.

Apesar deste novo máximo, a precipitação registada no restante território foi inferior à média, com excepção para a região entre Aveiro e Coimbra e parte do Nordeste Transmontano.

Na Madeira, o valor médio da temperatura do ar (máxima, mínima e média) foi próximo do valor médio (1971-2000) e os valores da quantidade de precipitação foram superiores aos normais.

Nos Açores, o valor médio da temperatura do ar foi próximo ou superior ao valor médio do período de referência e os valores da quantidade de precipitação foram inferiores aos normais, com excepção da Horta (Faial), onde foram superiores.

O índice de seca meteorológica, obtido no dia 30 de Setembro, mostra que houve uma diminuição da situação de seca fraca, que passou de 70 por cento em Agosto para 41 por cento em Setembro.

A seca fraca atinge, nomeadamente a uma área limitada pelas regiões de Lisboa, Setúbal, Santarém, Beja, Portalegre e Castelo Branco.

Quase metade do território, 49 por cento, encontra-se numa situação normal, havendo ainda nove por cento em situação de chuva fraca e um por cento em chuva moderada, correspondendo estes dois últimos casos à região do Algarve.

A escala da situação de seca meteorológica apresenta nove níveis entre «chuva extrema» e «seca extrem».

Artigo AnteriorPróximo Artigo