Arouca, Desporto, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa de Varzim, S. João da Madeira, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia

Respeitar o ambiente é desígnio da Federação Portuguesa de Todo-o-Terreno Turístico – Jorge Lima

O todo-o-terreno turístico só pode ser encarado como “uma mais-valia para o País” se for sustentável em termos ambientais, defendeu o presidente da estrutura federativa da modalidade, Jorge Lima.

Em declarações à EDV Informação, Jorge Lima sublinhou que o todo-o-terreno turístico é “uma actividade extremamente interessante sob o ponto de vista turístico e económico”, mas deve ser desenvolvida no âmbito de um projecto “integrado e respeitador dos melhores princípios em termos ambientais”.

“Se nós não conseguirmos provar, assumidamente, em termos de imagem pública e em termos das entidades que superintendem esta área que é uma actividade passível de ser feita respeitando os princípios da natureza, então este mercado não se sustenta”, disse o presidente da Federação Portuguesa de Todo-o-Terreno Turístico (FPTT).

“Temos a certeza que estamos a fazer uma actividade que é uma mais-valia para o País, mas pretendemos, acima de tudo, que seja sustentável em termos ambientais”, frisou.

“Durante muitos anos os passeios todo-o-terreno não eram bem vistos durante o Verão por causa dos incêndios, mas nós conseguimos inverter – embora lentamente – essa tendência”, afirmou.

Segundo o dirigente, desde que os veículos circulem de acordo com as normas estabelecidas, os praticantes acabam por contribuir para a preservação dos espaços verdes, desde a manutenção dos caminhos à própria vigilância das zonas florestais.

“Não há memória de que no decurso de qualquer um dos nossos eventos alguma vez tenha ocorrido um incêndio”, lembrou.

A FPTT – com sede em S. João da Madeira – tem imposto nas diferentes iniciativas que realiza o lema “Amigos da Natureza, Amigos do Ambiente”.

Nos primeiros seis meses do ano, os filiados na estrutura federativa promoveram um total de 92 eventos – 72 passeios, quatro acções de formação e ambientais e 14 provas de navegação e de trial.

“O amplo programa de actividades tem sido integrado ambientalmente, essencial para o desenvolvimento do todo-o-terreno turístico”, concluiu Jorge Lima.

 

Artigo AnteriorPróximo Artigo