Arouca, Economia, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa de Varzim, S. João da Madeira, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde, Vila Nova de Gaia

“Compro o que é Nosso” ultrapassa as 1.100 marcas aderentes

A iniciativa “Compro o que é Nosso”, dinamizada pela Associação Empresarial de Portugal (AEP), alcançou em Agosto 300 empresas aderentes que representam 1.178 marcas e um volume de negócios de 6,6 mil milhões de euros, revela um comunicado da estrutura.

Os sectores da alimentação, construção/mobiliário e têxteis/calçado representam cerca de 64 por cento do universo das empresas, embora outras actividades como a metalomecânica, embalagens, tecnologia, automóvel, indústria química e farmacêutica e serviços tenham também um peso crescente nas adesões.

De acordo com a AEP, cerca de 55 por cento dos aderentes concentra-se nas regiões do Porto, Aveiro e Braga. Os restantes 45 por cento estão localizados a Sul, em Coimbra, Santarém, Leiria e Lisboa. As regiões autónomas começam também a despertar para esta iniciativa, registando-se já uma adesão dos Açores.

“Se analisarmos os aderentes pela dimensão das empresas constatamos que 45 por cento são empresas com facturação inferior a 2,5 milhões de euros, 23 por cento são empresas com facturação entre 2,5 e 7,5 milhões de euros e 32 por cento são empresas com facturação superior a 7,5 milhões de euros”, refere a associação, sublinhando que a adesão “Compro o que é Nosso” reflecte “a aposta da indústria nacional em mostrar que, em Portugal, existem empresas modernas e capazes de competirem no mercado internacional”.

A AEP tem concentrado o seu esforço de promoção na “divulgação da iniciativa junto dos consumidores, sensibilizando-os para a importância que o consumo de produtos e marcas nacionais representa para a economia do país e para a criação e manutenção de postos de trabalho”.

Artigo AnteriorPróximo Artigo